Os helicópteros que cortavam o céu de Brumadinho (MG) na tarde destas segunda-feira, 28, não estavam ocupados apenas em apoiar a retirada de corpos dos escombros e da lama, ou encontrar sobreviventes em meio à destruição. Ao menos uma das aeronaves tinha a missão de executar, com tiros, animais ilhados, presos na lama ou feridos.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Eram 14h37. Um helicóptero da Polícia Rodoviária Federal (PRF) fazia voos rasantes em uma área devastada do Córrego do Feijão, numa região isolada e mais próxima da barragem de rejeitos. Um agente armado com fuzil mirava, de dentro do helicóptero, locais onde enxergava animais na lama. E disparava.

Do meio da mata, o jornal O Estado de S. Paulo acompanhou a movimentação da aeronave. Foram mais de 20 disparos, até o que o helicóptero partiu. O sacrifício dos animais ocorreu numa área próxima do local onde mais de 20 brigadistas tentavam abrir um ônibus coberto pela lama, com vítimas dentro. Há muitos bois ilhados ao longo de todo o trecho da cidade que foi varrido pelo barro. Outros estão com parte do corpo presos na lama.

Sacrifício

A decisão de executar os animais foi confirmada à reportagem pelo chefe da Defesa Civil de Minas, coronel Evandro Geraldo Borges. “O que vamos fazer? Deixar o animal sofrendo? Estamos sim, com equipe em campo executando esse trabalho, mas essa decisão só é tomada nos casos em que não há outra opção.”

+ Leia também: Vídeo! Caminhão quase atingiu carro ao tombar na BR-116!

Outra parte da equipe, disse o coronel, está empenhada em socorrer animais “em condições de serem retirados” da lama. Mas em muitas situações, declarou, só resta o tiro de misericórdia. “Não tem jeito. Tem animal preso, outro com perna quebrada. Temos de fazer escolhas, de retirar as pessoas, ir atrás de sobreviventes. Tudo que está sendo feito foi pensado. É isso.”

Próximo da equipe de brigadistas que tenta abrir o ônibus tomado pelo barro, um boi cansado, sobrevivente da tragédia, foi batizado de Resistente pelos agentes. Um helicóptero se aproxima da área onde Resistente está. Não veio executá-lo, mas carregar o primeiro corpo de uma vítima que os agentes conseguiram retirar do ônibus.

Durante as oito horas em que a reportagem acompanhou a operação, Resistente chegou na receber um pouco de feno e água. Nesta terça-feira, 29, disseram os brigadistas, o boi deverá ser sedado, para que seja retirado dali. Com vida.

Leia mais sobre a tragédia em Brumadinho:

Sexta (25)

Assista o vídeo com as primeiras imagens da tragédia e o trabalho dos Bombeiros

Vale divulga lista com desaparecidos; Familiares fazem buscas por conta própria

Sábado (26)

Bolsonaro após sobrevoar Brumadinho: “Difícil ficar diante desse cenário e não se emocionar”

Domingo (27)

Corpo de Bombeiros dá alerta de evacuação para 4 zonas de risco

Com risco de romper, barragem 6 da Vale tem até 4 mi/m3 de capacidade

Secretário de Guedes pede ajuda de startups para Brumadinho

Agência detectou 54 barragens no Brasil de água com problemas de infraestrutura

Israel diz que delegação de 130 homens e mulheres está a caminho de Brumadinho

Depois de sobrevoar Brumadinho, Bolsonaro se interna para retirar bolsa de colostomia

Segunda-feira (28)

‘Tenho de dar graças a Deus de conseguir enterrar o corpo, diz mulher de vítima

Justiça trabalhista em MG determina bloqueio de R$ 800 milhões da Vale

Caso de Brumadinho pode se tornar o pior acidente de trabalho do País. Já são 60 mortos!

Militares de Israel vão usar detectores de calor

No 4º dia de buscas, 280 bombeiros atuam em Brumadinho

Pedágio cobra Bombeiros a caminho de brumadinho na Grande Curitiba

Terça-feira (29)

Vale diz que está colaborando com autoridades

‘Se os culpados não forem punidos, tudo recomeçará’, diz especialista

PF prende cinco por rompimento de barragem de Brumadinho

Refém de sequestro é morto, mas outros dois se salvam quando arma ‘dá pau’