São Paulo

  – O governador reeleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), sugeriu ontem que seja realizada um único encontro, reunindo os sete governadores eleitos e os membros da executiva nacional do partido. A data ainda não foi definida, mas deve ser na próxima semana, em Brasília. De acordo com a previsão inicial, seriam realizadas duas reuniões.

“O Aécio me ligou anteontem (30), convidando para o almoço dos sete governadores. E o Zé Aníbal também ligou para tratar do encontro com a executiva”, disse Alckmin, referindo-se ao governador eleito, Aécio Neves (MG) e ao presidente nacional do PSDB, José Aníbal. “Sugeri que se fizesse um almoço só, reunindo todos.”

Sobre um encontro com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Alckmin afirmou que o convite deve partir do petista. “Liguei na última segunda-feira para cumprimentá-lo pela vitória e desejar felicidades. Mas, encontro com o presidente quem marca é ele.” Para Alckmin, a partir de agora, se inicia uma nova etapa. “Acabou a eleição, acabou a briga. Não tem terceiro turno, agora é retomar o trabalho e manter aberto um canal de diálogo” disse Alckmin.

O governador paulista aposta na descentralização, ponto que, na sua avaliação, é fundamental na relação entre os governos federal, estaduais, municipais e a sociedade civil. “O Brasil é um país de dimensões continentais, a gente tem que descentralizar, isso quer dizer que o governo federal tem que fazer parcerias com os Estados que por sua vez devem fazer parcerias com os municípios e todos com a sociedade organizada” , disse Alckmin. “É com diálogo que se toma medidas efetivas, em parcerias.”

Pacto

Alckmin falou também sobre o “pacto” proposto por Lula aos governadores, que projetos de interesse público devam ser aprovados, independente da origem. “O presidente Fernando Henrique Cardoso sintetizou bem, nós não vamos fazer com o PT a oposição que o PT fez conosco. Acho que esse não é um bom caminho”, disse.

Ontem, Alckmin participou do sorteio de moradias populares, em Bragança Paulista, no interior do Estado. Sob sistema de construção em mutirão, foram sorteadas 650 casas. Com 42,71 metros quadrados de área, cada unidade prevê dois quartos, sala, cozinha e banheiro. O modelo adotado é o Habiteto: a prefeitura cedeu o terreno e o governo estadual o material de construção, um kit no valor de R$ 7,4 mil, além de fazer a supervisão das obras, via CDHU.