Brasília

– Depois de três semanas de silêncio, o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) voltou a se manifestar sobre o caso dos grampos telefônicos na Bahia. Ontem ele divulgou nota contestando as denúncias publicadas na edição desta semana da revista “IstoÉ”. Sem mencionar a reportagem, ACM atribuiu “a especulação de quem quer obter argumentos inconsistentes” para atingi-lo a tentativa de vincular os documentos por ele apresentados a autoridades ao grampo feito em celulares de políticos baianos pela Secretaria de Segurança Pública do Estado. Na nota, ACM argumentou que sempre enviou às autoridades fax e cartas denunciando atos de corrupção e solicitando providências sobre o desvio de recursos e “até análises de pessoas cujo comportamento não dignificava” o governo.