Este mês o mercado brasileiro passa a contar com novos esportivos. Nos referimos a holandesa Spyker, fabricante que desembarca no Brasil com apoio da importadora Platinuss, que entre suas Ferrari e Lamborghini, também comercializará no País o superesportivo Pagani Zonda.

Os modelos da montadora holandesa serão comercializados em nosso mercado nas versões cupê, denominada Laviolette, e a conversível Spyder do C8. A fama recente da marca chegou em 2007, quando participou sem sucesso da temporada de Fórmula-1.

Porém, suas origens remetem ao longínquo ano de 1.880, quando a montadora, baseada em Amsterdã, nasceu da fabricação de carroças e posteriormente, no século XX, se especializou na produção de automóveis e aviões de combate que serviram na Primeira Guerra Mundial.

No entanto, em 1929, a Spyker original faliu por conta da crise econômica mundial daquele ano. As atividades foram retomadas somente em 2.005, quando investidores holandeses adquiriram junto a família Spyker os direitos de uso do nome.

Equipado com motor Audi 4.2 V8, as versões do C8 Laviolette geram 400 cv e atingem a velocidade máxima de 300 km/h. Sua fabricação é totalmente artesanal, o que se reflete em seu alto preço e exclusividade.

As principais características dos modelos são as várias referências a antigos aviões de combate, notadas nas entradas de ar e na hélice que representa o logotipo da Spyker, além das portas com abertura estilo “tesoura”.

Os carros têm um grande diferencial: custam acima de 1 milhão de reais. O cupê C8 custa R$ 1,1 milhão, mas pode chegar a R$ 1,24 milhão, com os opcionais: painel e túnel central que inclui relógios analógicos e botões de comando de alumínio.

Suas rodas são aro 19 com raios que, quando rodando, simulam o movimento de uma hélice de avião. O carro é silencioso, e tem um sistema que altera o ronco do motor caso o motorista queira uma sensação de esportividade. A versão conversível custa R$ 1,15 milhão, podendo chegar a R$ 1,3 milhão dependendo do pacote de equipamentos.