Para esclarecer os reais motivos da rebelião ocorrida no dia 28 de novembro, na Penitenciária Estadual de Piraquara (PEP), os três agentes penitenciários que foram mantidos reféns – Marcos Murilo Holzmann, Émerson Ramos e Amauri Pereira Carneiro – foram convidados a prestar depoimento à Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa.

Os três deveriam ser ouvidos hoje, no fim da manhã, na própria Assembléia, em Curitiba, porém apenas o agente Marcos Murilo compareceu no horário marcado. Émerson e Amauri, apesar de anteriormente terem confirmado presença, não apareceram e não foram localizados pelos integrantes da comissão.

Os três agentes estão afastados de suas funções pela Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania. O secretário Aldo Parzianello suspeita que uma falha humana possa ter provocado o motim na PEP. A opinião do secretário é contestada pelos agentes. Segundo eles, a rebelião teria sido facilitada por uma série de irregularidades no presídio. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)