Já começa a fazer efeito a pressão do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, contra a criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) que pretende investigar o Corinthians e a MSI. Até quarta, os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE), Eduardo Azeredo (PSDB-MG), Adelmir Santana (DEM-DF), Mão Santa (PMDB-PI) e Papaléo Paes (PSDB-AP) haviam informado intenção de retirar suas assinaturas do pedido de instalação da CPI. O requerimento de criação da comissão foi protocolado na terça-feira à noite pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR) e pelo deputado federal Silvio Torres (PSDB-SP), no mesmo dia em que o Brasil foi anunciado como sede da Copa de 2014.

Mas, para que a CPI mista seja efetivamente instalada, é preciso que o requerimento seja lido em sessão conjunta das duas casas, o que deve acontecer na próxima semana, segundo as previsões otimistas de Torres. Até lá, porém, deputados e senadores que endossaram o pedido de criação da comissão podem retirar as assinaturas. Torres e Dias conseguiram o apoio de 209 deputados e 38 senadores – o mínimo necessário era de 171 e 27, respectivamente.