A partir da semana que vem, o futebol brasileiro, aos poucos, vai voltando à sua normalidade. Após alguns dias de folga, por conta da disputa da Copa América, os elencos estão se reapresentando para uma intertemporada. Enquanto isso, nos bastidores, as diretorias se movimentam para buscar reforços para a sequência de 2019.

Com o Trio de Ferro não é diferente. Embora vivam situações diferentes, dentro e fora de campo, Athletico, Coritiba e Paraná Clube olham com atenção para o mercado, na tentativa de trazer peças que se encaixem no orçamento e possam, de fato, ajudar o time daqui pra frente. Por isso, a Tribuna do Paraná resolveu dar algumas ‘dicas’ pro trio.

+ Leia também: Paulo André segue com futuro indefinido no Furacão

O caso do Furacão é o mais específico. O técnico Tiago Nunes já afirmou que espera mais opções no segundo semestre e a tendência é o clube anunciar nomes nos próximos dias. Principalmente diante das possíveis saídas do lateral-esquerdo Renan Lodi, do zagueiro Léo Pereira e do volante Bruno Guimarães.

Revelado pelo Coritiba, Adriano deixou o Besiktas e está na mira do São Paulo. Foto: Divulgação/Besiktas
Revelado pelo Coritiba, Adriano deixou o Besiktas e está na mira do São Paulo. Foto: Divulgação/Besiktas

Se estiver disposto a gastar dinheiro, o Rubro-Negro pode repatriar o lateral-esquerdo Adriano. Aos 34 anos, o atleta, revelado pelo Coritiba, está de saída do Besiktas, da Turquia, onde jogou por três temporadas. Antes, ficou 12 anos na Espanha, entre Sevilla e Barcelona. O São Paulo surge como o provável destino dele, mas o time atleticano poderia investir em alguém experiente pra sequência da Libertadores.

+ Mais na Tribuna: Giovanni ainda tenta provar que pode ser decisivo no Coxa

Para o meio-campo, outra situação poderia ser repatriar o volante Hernani. Cria do Athletico, o jogador foi para o Zenit, da Rússia, no final de 2016, mas não se firmou na Europa. O grande entrave seria o alto salário e o fato de o nome do atleta estar sendo especulado no Flamengo.

Atualmente na reserva do Cruzeiro, Sassá marcou na última partida, contra o Fortaleza, mas não é primeira opção de Mano Menezes. Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro
Atualmente na reserva do Cruzeiro, Sassá marcou na última partida, contra o Fortaleza, mas não é primeira opção de Mano Menezes. Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

No ataque, Sassá, do Cruzeiro, poderia ser opção para a reserva de Marco Ruben. Neste ano, o camisa 99 disputou 17 partidas pela Raposa, marcando quatro gols, mas foi titular em apenas três vezes. Na derrota por 2×1 para o Fortaleza, ele começou jogando e marcou o gol dos mineiros, só que não isso não vem sendo frequência. Além disso, Raniel, reserva imediato de Fred, se recuperou de lesão e, aos poucos, está voltando a ser utilizado pelo técnico Mano Menezes. Com isso, Sassá pode se tornar peça no mercado.

Vale lembrar que os três fogem do estilo de contratações do Furacão, que já vem sondando reforços pro segundo semestre. Por enquanto, os zagueiros Rhodolfo, do Flamengo, e Luiz Felipe, do Santos, e o atacante Bobô, ex-Antalyspor, da Turquia, são os mais próximos de um acerto.

Opções de sobra

Quem pode fornecer peças também é o Palmeiras. Com diversas alternativas no elenco, o clube paulista tem nomes que sequer figuram o banco de reservas, como o lateral-direito Jean, o volante Matheus Fernandes, o meia Guerra e o atacante Carlos Eduardo.

Matheus Fernandes fez só dois jogos pelo Palmeiras e é uma das últimas opções de Felipão. Foto: Divulgação/Palmeiras
Matheus Fernandes fez só dois jogos pelo Palmeiras e é uma das últimas opções de Felipão. Foto: Divulgação/Palmeiras

Jean poderia vir pra suprir a necessidade na lateral. Polivalente – podendo atuar também como volante – ele seria alternativa para Jonathan, que não tem um reserva à altura no elenco. Matheus Fernandes fez apenas duas partidas pelo Palmeiras, mas veio de duas temporadas positivas no Botafogo. Bom no desarme, o atleta também sabe sair pro jogo e pode ser um bom garçom, nos mesmos moldes de Bruno Guimarães.

+ Confira a classificação completa do Brasileirão

Já Guerra seria o armador tão esperando por Tiago Nunes. Até aqui, Tomás Andrade e Léo Cittadini não vingaram e o treinador ainda não encontrou um substituto para a função que Raphael Veiga exercia em 2018. Algo que o venezuelano poderia fazer.

Dupla Paratiba

Em uma situação financeira bem diferente, Coxa e Tricolor olham para um outro mercado. Sem dinheiro para gastar, os dois precisam aproveitar peças mais baratas. Por isso, os destaques da Série C podem ser um atrativo. Principalmente para o ataque.

+ Viu essa? Destaque do Tricolor no Paranaense, Fernando Neto ‘some’

Embora mais experientes, os artilheiros da terceira divisão podem ser úteis para reforçar o time, apesar de Rodrigão e Jenison estarem dando conta do recado.

Edson Cariús é o artilheiro da Série C e marcou 19 gols em 21 jogos pelo Ferroviário-CE no ano. Foto: Divulgação/Ferroviário
Edson Cariús é o artilheiro da Série C e marcou 19 gols em 21 jogos pelo Ferroviário-CE no ano. Foto: Divulgação/Ferroviário

Aos 30 anos, Edson Cariús já está na segunda temporada se destacando pelo Ferroviário-CE. No ano, são 19 gols em 21 jogos. Na Série C, já balançou as redes sete vezes. Outro que vem exercendo a função de matador é Pipico, do Santa Cruz. Aos 34 anos, ele tem seis gols na Terceirona e 15 ao longo de todo 2019.

+ Confira a classificação completa da Série B

Olhando mais para a Série A, nomes encostados podem ser uma solução. Do Grêmio, por exemplo, o lateral-direito Léo Moura, o volante Rômulo e o atacante Lincoln, pouco estão sendo aproveitados. Ainda no Sul, do Internacional, o zagueiro Klaus e os atacante Neílton e Trellez também podem ter uma saída facilitada por empréstimo.

Neílton fez 14 jogos no ano pelo Inter e ainda não marcou gols. Foto: Ricardo Duarte/Internacional
Neílton fez 14 jogos no ano pelo Inter e ainda não marcou gols. Foto: Ricardo Duarte/Internacional

Ou seja, soluções no mercado existem, resta saber quanto cada um está disposto a investir pra fazer as contratações e ter um time mais forte a partir de julho, quando a bola volta a rolas nas séries A e B.