Recuperação consolidada. A atuação do Paraná Clube no clássico de sábado – na avaliação do técnico Luiz Carlos Barbieri – não deixa dúvidas quanto ao potencial da equipe, que mantém vivo o sonho de chegar à Libertadores. Para o treinador, seu time dominou o adversário e criou as melhores situações de gols. Restrições somente aos deslizes que determinaram os dois gols do Coritiba, em falhas coletivas de marcação.

O ponto positivo foi o poder de reação do Tricolor, que pela primeira vez no Brasileiro obteve uma vitória de virada.

O triunfo sobre o rival deixou a certeza de que o momento de instabilidade – quando sofreu quatro derrotas seguidas – foi passageiro. ?Muitos times passaram por isso. E outros ainda vão passar?, frisou Luiz Carlos Barbieri, animado com o resultado positivo em seu primeiro clássico paranaense. ?Tivemos uma atuação sólida, marcando e criando com intensidade. O grupo é muito bom e homogêneo?, comentou. Barbieri prefere não fazer projeções sobre o futuro, mas nas entrelinhas fica evidente a confiança do treinador na busca por uma posição de destaque.

Depois de ter seu emprego colocado em xeque – após as derrotas para Juventude, Palmeiras e Ponte Preta -Barbieri vem mostrando a cada rodada que já conquistou a confiança do elenco. Com simplicidade, não mexeu na estrutura tática, mas processou ajustes significativos. Paralelamente a isso, ganhou uma referência no meio-de-campo. Com a chegada de Éder, o Tricolor deixou de ser refém das ligações diretas. ?Fomos felizes nas contratações. Todos se encaixaram perfeitamente e a transição foi rápida e sem traumas?, explicou Barbieri.

Nas últimas partidas – onde computou duas vitórias e um empate – o treinador só mostra preocupação com a forma como o time sofreu gols (um do Brasiliense, dois do Fortaleza e dois do Coritiba). ?Alguns ocorreram por falta de atenção. Mas, é difícil não cometer erros. É claro que podemos melhorar?, comentou. Barbieri também não gostou do comportamento do time nos vinte minutos finais do clássico, quando tinha a vantagem de dois jogadores e não soube ?matar? o jogo por antecipação. ?Centralizamos demais o jogo. O caminho era pelas beiradas.?

Para o jogo de amanhã, em Belo Horizonte, Barbieri será obrigado a mexer em três posições: Marcos, Pierre e Borges estão suspensos.

Como o sistema 3-5-2 deve prevalecer, Neguete deve entrar na zaga. Rafael Muçamba e Beto são opções para o meio-de-campo e para o ataque o treinador também tem duas alternativas: escalar Fernando Gaúcho, atacante nato, ou apostar no meia-atacante Sandro, que vem entrando muito bem no time.

A definição acontece hoje pela manhã.