Santos – O Palmeiras não sentiu a semana tumultuada após a eliminação na Copa do Brasil e conquistou seu melhor resultado no Campeonato Brasileiro: sem grandes dificuldades, goleou o Santos por 4 a 0, ontem, na Vila Belmiro e ganha tranqüilidade para a chegada do novo treinador, para o lugar de Jair Picerni. Estevam Soares, que estava na Ponte Preta, pode se apresentar hoje, no Palestra Itália. Pior para o Santos, que tem confronto decisivo diante do Once Caldas, quarta-feira, em Manizales, na Colômbia, pela Taça Libertadores – no primeiro jogo, houve empate por 1 a 1.

No primeiro tempo, o nervosismo vivido pelas equipes nos últimos dias se refletiu em campo: de ambos os lados, forte marcação, divididas duras e provocações. O Santos começou tocando melhor a bola. Na primeira finalização, aos 8?, Elano cobrou falta na cabeça de Lopes, mas o atacante não aproveitou.

Aos 12?, o jogo começou a mudar. Muñoz partiu num contra-ataque e foi derrubado por Pereira na entrada da área. Como o atacante ia em direção ao gol, o árbitro Wilson Seneme expulsou o zagueiro santista.

O time da Vila Belmiro não teve tempo de sentir a falta de Pereira, já que dois minutos depois, Magrão fez bom lançamento para Vágner, dentro da área. O atacante driblou o goleiro Júlio Sérgio, bateu cruzado e abriu o placar.

Em vantagem, o Palmeiras dominou o jogo, com tabelas entre Magrão e Vágner e arrancadas de Baiano, pela direita. E foi numa descida do lateral, aos 32, que a equipe ampliou o marcador. Dentro da área, Paulo Almeida deu carrinho em Baiano, que não chegou a ser atingido, mas caiu, ao se chocar com o adversário. Apesar das reclamações dos santistas, o árbitro marcou o pênalti que Muñoz cobrou sem força, mas certeiro, à esquerda do goleiro.

O Santos só conseguiu criar uma jogada de perigo aos 26, quando Basílio completou cruzamento de Claiton, mas Sérgio fez boa defesa.

Vanderlei Luxemburgo tentou reverter o quadro e mexeu no time: antes do intervalo, Robinho entrou no lugar de Basílio, lesionado, e para o segundo tempo, Renato e Diego substituíram Elano e Lopes. Os titulares haviam sido poupados para o confronto pela Taça Libertadores.

Mesmo com os principais jogadores do adversário em campo, o Palmeiras, bem posicionado, seguiu criando chances de gol. Aos 15, Muñoz foi lançado dentro da área e bateu forte, em cima de Júlio Sérgio.

Três minutos depois, Vágner marcou o terceiro. O atacante foi lançado por Marcinho na entrada da área, limpou Paulo Almeida, e bateu forte, sem defesa para Júlio Sérgio.

Com uma boa marcação, o Palmeiras não deu espaço para o rival e consolidou o domínio com o quarto gol, aos 32: Elson tabelou com Vágner e percebeu Júlio Sérgio fora da jogada e acertou o canto do goleiro.