O técnico Joel Santana tentou minimizar a decepção do Botafogo com a eliminação nas semifinais da Taça Guanabara – o primeiro turno do Campeonato Carioca -, com a derrota para o Flamengo por 3 a 1 na disputa de pênaltis, após empate por 1 a 1, e garantiu estar com a confiança intacta no elenco e nas chances de título estadual. Apesar disso, se mostrou decepcionado com o desempenho da equipe nas cobranças de pênaltis, sem, porém, apontar culpados.

“O importante é que jogamos de igual para igual e temos uma base de equipe. Isso nos dá esperança para o futuro, para melhorar na Taça Rio e na Copa do Brasil. O campeonato não acabou, mas para nós a festa não começou. Vamos para o segundo turno, que será ainda mais difícil”, afirmou.

Joel Santana sabe que o momento é de levantar a cabeça no Botafogo, já que a equipe estreará na quarta-feira na Copa do Brasil, fora de casa, contra o River Plate (SE). Além disso, precisará vencer a Taça Rio para disputar a decisão do Campeonato Carioca contra o Flamengo.

“Não estou triste, mas também não estou soltando fogos. Não dá para enfiar a cabeça no chão e achar que tudo acabou. O time jogou bem, o resultado é que não foi o que esperamos. Saímos do primeiro turno invictos, mas não como queríamos. Não pode ficar dormindo com este pesadelo. Estamos em fevereiro, tem campeonato até dezembro. Tenho confiança neste grupo”, comentou.

O treinador botafoguense lamentou os pênaltis desperdiçados por Everton, Somália e Renato Cajá. “Pênalti eu já vi, e vocês também, vários jogadores cinco estrelas perderem. Define na hora, é loteria. A escolha foi feita dentro do que treinamos três dias seguidos, foram os de melhor aproveitamento. Também não esperava um time de qualidade como o nosso bater tão mal. Se saíssemos na vantagem, a história mudaria”, disse.