O Coritiba não confirmou a ameaça de retirar o goleiro Júnior, o zagueiro Tiago Soler e o volante Douglas Peruíbe do Rio Branco. O alviverde considerou que o Leão da Estradinha não teve culpa pelos tumultos verificados domingo no jogo entre os dois times no litoral. Ontem, os três jogadores, emprestados pelo Coxa, treinaram normalmente em Paranaguá.

Mas outra ameaça ainda pode perturbar a equipe parnanguara. O Coritiba deverá pedir ao TJD a interdição do Estádio Nelson Medrado Dias, com base no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (“Deixar de tomar providências capazes de prevenir ou reprimir desordens em sua praça de desporto”). Se confirmada a punição, o Rio Branco perderá de um a três mandos de campo e terá que pagar uma multa variável entre R$ 50 mil e R$ 500 mil.

Numa nota oficial, divulgada segunda-feira, o Coxa deixou claro que vê como vilão do episódio o prefeito de Paranaguá, Mário Roque, a quem pretende processar por danos morais. Domingo, Roque chamou de “ladrão” o presidente do alviverde, Giovani Gionédis, e tachou como “bêbado ou drogado” o vice-presidente, Domingos Moro. Contra a Adap, Gassen não vai escalar o lateral-direito Baiano, o volante Júnior Gaúcho e o meia Alex Lopes, todos suspensos. Robson, Erminho e Nino deverão substituí-los.