Uma das maiores contratações da história do Atlético, o meia Felipe Gedoz sempre teve respaldo da torcida, que o pedia no time nos períodos em que Paulo Autuori e Fernando Diniz comandaram o clube. Sem espaço, ele acabou negociado com o Goiás, onde chegou para ser o líder técnico da equipe que lutava para melhorar na Série B do Campeonato Brasileiro. Mas hoje ele é alvo de críticas da imprensa e da torcida, e não é um dos protagonistas da arrancada do Esmeraldino.

Aos 25 anos, Gedoz já tem uma trajetória longa no futebol. Surgiu no interior gaúcho, e de lá foi direto para o Defensor, do Uruguai. Foi destaque do time em competições nacionais e internacionais, e acabou negociado com o Brugge, da Bélgica. Após três temporadas (a primeira muito boa), foi comprado pelo Atlético por cinco milhões de reais. Começou brilhando na Libertadores, sendo decisivo com a camisa rubro-negra. Mas os problemas extracampo foram minando sua relação com os treinadores e com a diretoria do Furacão.

Ainda em 2017 foi afastado por Paulo Autuori, mas foi reintegrado ao elenco e iniciou a temporada como uma das opções de Fernando Diniz. Foi o herói da classificação na segunda fase da Copa do Brasil, no jogo com o Tubarão, e tinha seu nome pedido a cada partida na Arena da Baixada. Mas logo foi afastado dos planos do clube, e em maio foi transferido por empréstimo para o Goiás – Sport e Bahia também queriam sua contratação.

LEIA MAIS: Operário faz planos de reforma no estádio pra Segundona!

Na primeira entrevista pelo clube goiano, Gedoz admitiu os excessos. “Meu problema extracampo foi resolvido. Foram coisas básicas, em que amizades me levaram para outro caminho. Já conversei e resolvi da melhor maneira possível”, disse. Mas havia outro problema, o físico. E este problema o acompanhou desde o início de sua trajetória por lá, apesar de ter sido o responsável pela primeira vitória do Goiás na Série B.

TAMBÉM NA TRIBUNA: Curitibanos criam “mini usina” pra que cada casa produza a própria energia!

Aos poucos, perdeu espaço com o técnico Ney Franco, justamente no momento em que a equipe deixou as últimas colocações e passou a lutar pelo G4. Acabou retornando à equipe no clássico do sábado (25) contra o Vila Nova, mas não jogou bem, foi criticado duramente pela imprensa local – há quem peça seu afastamento até entrar em forma – e pelos torcedores.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro!

Felipe Gedoz está em nova encruzilhada na carreira. “Essas coisas ruins foram boas para mim. Pude aprender. Nós aprendemos com os erros. Comigo não é diferente. Sou humano. Agora estou com a cabeça no Goiás”, disse ao ser apresentado no Goiás. Para aplacar as críticas, ele terá que superar tudo mais uma vez.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!