A noite de hoje será especial para o Atlético e para o técnico Paulo Autuori. O duelo contra a Universidad Católica, às 21h, na Arena da Baixada, além de representar a volta do Furacão à fase de grupos da Copa Libertadores da América, marca também um ano do comandante rubro-negro a frente do time atleticano. Isso prova que, na sua volta a disputa da principal competição de clubes das Américas, o clube está mais convicto no que quer, já que a última vez que um treinador completou um ano no cargo foi em 2000, quando Vadão esteve à frente do Atlético.

Paulo Autuori atinge também outra marca no comando do Atlético neste duelo contra a Universidad Católica. Pela primeira vez, dentre todos os times em que comandou no futebol brasileiro, o treinador conseguiu permanecer no cargo durante um ano inteiro. O comandante do Furacão, no entanto, salientou que em algumas oportunidades, principalmente quando conquistou títulos expressivos por Botafogo, Cruzeiro e São Paulo, a opção por deixar os clubes foi sua.

“Nada me prende à função que estiver exercendo a não ser a coerência no trabalho, as perspectivas que me dão em relação ao futuro. No Atlético tenho uma satisfação e uma alegria muito grande de estar trabalhando com esse grupo, dentro e fora de campo. Digo isso porque vejo coerência, vejo perspectivas”, apontou Paulo Autuori, que a partir do ano que vem deve fazer parte da diretoria do Atlético. Ele é o “homem dos sonhos” do comando do Furacão para gerenciar o departamento de futebol.

“Fico satisfeito por fazer um ano. Dá para ficar satisfeito. Há muito tempo não sei o que é isso. Estou tranquilo, satisfeito e vou dar meu máximo sempre enquanto aqui estiver para corresponder às expectativas daqueles que acreditam no meu trabalho, especialmente os torcedores. Dentro disso, estou em uma conjuntura que me dá essa felicidade sim”, acrescentou Autuori.

Na força

Para coroar essa data da melhor maneira possível, Paulo Autuori já avisou que quer o Atlético com força total para encarar a Universidad Católica. O Furacão, que já fez quatro jogos na Libertadores, todos eliminatórios, muda um pouco o foco. Na fase de grupos, são seis partidas para buscar a classificação e não duas, como ocorreu nos duelos contra Millonarios e Deportivo Capiatá.

“As dificuldades são as mesmas. Vamos enfrentar equipes de qualidade, de tradição. É outro tipo de competição. A estratégia é distinta. Não são jogos que se definem em duas partidas. São seis jogos a serem jogados e que não tem o peso do gol sofrido em casa ou feito fora. Entramos fortalecidos, sem dúvidas, e mais treinadores. A primeira fase é muito complicada. Foi pouco tempo de treinamentos e chegamos mais fortalecidos mentalmente, logicamente, pela classificação obtida”, avisou o treinador.

Diante dos chilenos, o Atlético não terá o atacante Grafite, suspenso. Com isso, a tendência é de que, com relação ao time que eliminou o Capiatá no Paraguai, no mês passado, a equipe tenha uma mudança. Assim, o meia Felipe Gedoz deverá atuar mais avançado e o atacante Pablo jogará mais na referência. O restante da equipe deverá ser a mesma utilizada por Paulo Autuori nos últimos jogos.

Ficha técnica

COPA LIBERTADORES
Grupo 4 – 1ª Rodada

Atlético x Universidad Católica

Atlético
Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Lucho González e Carlos Alberto; Felipe Gedoz, Nikão e Pablo.
Técnico: Paulo Autuori

Universidad Católica
Toselli; Maripán, Lanaro e Parot; Lobos, Fuenzalida, Kalinski, Fuentes e Cordero; Buonanotte e Santiago Silva.
Técnico: Mário Salas

Local: Arena da Baixada
Horário: 21h
Árbitro: Ulisses Mereles (PAR)
Assistentes: Rodney Aquino (PAR) e Dario Gaona (PAR)