Com o passar dos anos, o problema de como guardar ou processar o lixo nuclear gerado em várias partes do mundo está cada vez maior. Dessa vez é o Reino Unido que atravessa esse dilema.

Segundo a revista New Scientist, a empresa British Nuclear Fuels (BNFL) decidiu transportar 1,8 mil toneladas de urânio contaminado para serem processadas na Ásia Central. A viagem ainda depende da aprovação das autoridades para ocorrer. A BNFL, dona do lixo nuclear, decidiu levar o material para Kara Balta, uma grande mineradora a 60 quilômetros de Bishkek, capital do Quirguistão. O urânio, a ser transportado por um navio de bandeira alemã, será misturado com grafite. Depois de tratado com ácido e separado novamente, o urânio seguirá de volta para a Grã-Bretanha. Ou seja, o lixo, segundo os dirigentes da BNFL, será reutilizado. O grafite contaminado ficará depositado nas instalações da mineradora quirguiz.

O urânio está sendo embalado para a viagem e estocado em Preston, no noroeste da Inglaterra. O lixo nuclear é fruto do funcionamento, que já dura 50 anos, de um dos primeiros reatores instalados no Reino Unido. O dejeto foi considerado muito tóxico para ficar armazenado no solo, como ocorre com alguns outros tipos de resíduos nucleares. Conforme a New Scientist, até mesmo o primeiro-ministro do Quirguistão, Nikolai Tanayev, desaprovou esse projeto, mas uma comissão de especialistas de seu próprio governo teria dado o aval.