A oncologista Emanuella Poyer, do Centro de Oncologia do Paraná, explica alterações que exigem atenção, formas de prevenção e alerta: “em 2018 serão cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama no Brasil”.

O grande consenso entre especialistas em oncologia é que toda forma precoce de detecção de um câncer aumenta as chances de cura. No caso do câncer de mama, durante o Outubro Rosa, o Centro de Oncologia do Paraná (COP) alerta para uma desinformação perigosa: o autoexame de toque não é suficiente para assegurar que se está livre da doença. Para se ter ideia, só em 2018 esse tipo de tumor totalizará cerca de 60 mil novos casos, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

A mamografia desempenha um papel central na detecção precoce do câncer de mama em mulheres cujos sintomas ainda não se manifestaram, pois é capaz de descobrir alterações na até 2 anos antes de a paciente e o médico conseguirem apalpá-las. “A idade para início dessa rotina ainda é motivo de controvérsia”, conta Emanuella Poyer, do COP. “Enquanto o INCA recomenda o início dos exames apenas aos 50 anos, sociedades médicas e organizações nacionais e internacionais indicam como ideal seu início aos 40 anos”.

Mulheres que já tiveram câncer de mama ou que apresentam histórico familiar da doença devem procurar um especialista para saber se precisam realizar os exames antes dos 40 anos. “Em alguns casos, existe a necessidade de iniciar o acompanhamento até mesmo antes”, conta Emanuella. “A mamografia também pode ser utilizada para investigar nódulos, saída de secreção pelos mamilos, inchaço e outras alterações. O rastreamento deve ser mantido pelo menos até os 70 anos”.

Nódulo ou caroço

“É um dos principais a indicar o sintoma de um câncer, principalmente os que sempre estão presentes e não diminuem de tamanho, mas nem sempre significa, já que infecções e cistos também geram nódulos”.

Secreção de líquido pelo mamilo

“Liberação de líquido pelo mamilo, especialmente se for sangue”.

Alteração do tamanho da mama

“O tumor de mama pode deformar os tecidos mamários, o que faz a mama crescer, por conta de inchaço, ou mesmo diminuir, por retração de tecido”.

Vermelhidão

“A vermelhidão na pele ou na aréola da mama, ocasionalmente, pode representar alguma infecção ou inflamação, mas também consta como um sintoma de alerta para câncer de mama”.

Inchaço e nódulos nas axilas

“Caso parecido com a vermelhidão: pode ser apenas uma inflamação ou infecção, mas também é um fator de alerta para tumor”.

Afundamento do mamilo

“A inversão do ângulo do mamilo pode representar o surgimento de um tumor atrás da aréola, em uma localização específica”.

Endurecimento da pele da mama

“A alteração da textura da pele da mama, com uma semelhança de ‘casca de laranja’, é um dos principais sintomas do câncer inflamatório. Isso ocorre porque obstrui os vasos sanguíneos na região e, assim que observado, um médico deve ser procurado urgentemente”.

[iframe src=”https://especiais.tribunapr.com.br/wp-content/uploads/2018/09/whats-tribuna.html” width=”100%” height=”250″ style=”max-height:250px; overflow:hidden;” scrolling=”no”]

Câncer de mama e a sua saúde