Foto: Átila Alberti/Tribuna
Moradores foram até a casa
onde Amarildo trabalhav
a.

Quando estava trabalhando de servente de pedreiro, Amarildo Reginaldo Cardoso, 23 anos, foi assassinado a tiros, às 12h30 de segunda-feira, na Rua Casemiro Augusto Rodack, Jardim Gabineto, no Campo Comprido. O rapaz ainda tentou escapar da morte, correndo para dentro da moradia onde ajudava na reforma, mas tombou morto na lavanderia da residência.

A dona da casa, Elza Tavares, disse que seu marido contratou um pedreiro para fazer a reforma na residência, que por sua vez chamou Amarildo para ajudá-lo. "Eu estava chegando em casa quando o vi entrar correndo", contou a mulher. Moradores perceberam quando três rapazes passaram pela rua e efetuaram vários disparos contra Amarildo. Para a polícia, os populares informaram que os atiradores estavam encapuzados, segundo o soldado Kienteka, do 13.º Batalhão da Polícia Militar.

Crack

Luís Fernando, irmão da vítima, contou que Amarildo era viciado em crack. "Ele já foi ameaçado por dívida de drogas, mas depois pagou", relatou o irmão. Desta vez, ao que tudo indica, os traficantes não quiseram esperar para receber ou Amarildo não pôde pagá-los, e o vício acabou lhe custando a vida.