Depois de uma semana sem ter notícias da filha, levada por sequestradores durante um assalto à casa da família, em Paranavaí, um casal de empresários do ramo de combustíveis teve a alegria de encontrá-la viva, sem nenhum ferimento. Quatro acusados do sequestro foram presos.

A menina de 17 anos foi colocada abaixada dentro de um carro no último dia 16, sem saber para onde seria levada. “Eles fizeram um caminho por estradas vicinais, de terra, para desviar da Polícia Rodoviária Federal.

Em cinco horas cumpriram o trajeto até Umuarama, que geralmente é feito em até 1h30 pelas estradas principais”, explica o delegado Riad Farhat, chefe do Grupo Tigre, responsável pela operação.

Durante os sete dias, ela foi mantida em uma quitinete localizada na Rua Cambé, próximo ao Lago Aratimbó. Os sequestradores fizeram contato com a família pedindo R$ 2 milhões pela liberação da garota.

“A família pediu o afastamento da polícia por que era uma exigência dos sequestradores, mas mesmo assim trabalhamos no caso e conseguimos localizar o cativeiro”, conta Farhat.

A vítima foi resgatada às 23h30 de sábado, em estado de choque, porém sem nenhum ferimento, e já está em casa. Foram presos Luiz Carlos Bofetti, 39 anos e Ed do Nascimento Alves, 23, que vieram de São Paulo para participar do roubo, além de Josiele Pereira de Lima, 23, e Márcia Neves Saraiva Guedes, 35, responsáveis por abastecer o cativeiro com alimentação, celulares e materiais de higiene e limpeza. Os presos foram encaminhados para a 8.ª Subdivisão Policial de Paranavaí.

“Acreditamos que alguém do Paraná forneceu informação privilegiada sobre a família para essa quadrilha de São Paulo. Por isso, continuamos a investigação na tentativa de localizar outras pessoas envolvidas no crime”, ressalta o delegado.