Os dois homens envolvidos na morte do estudante francês Vincent Thomas Melin, 19 anos, se apresentaram na Delegacia de Homicídios (DH) na tarde de quinta-feira e confessaram o crime. O publicitário e o projetista, ambos com 33 anos, não tiveram os nomes nem imagens divulgados pela polícia, e devem aguardar julgamento em liberdade.

Um dos amigos foi até a casa do outro e eles consumiram bebidas alcoólicas na noite de sábado. Às 2h40, eles estacionaram o carro perto do Cemitério São Francisco de Paula e desceram a Rua Treze de Maio, na direção de uma casa noturna onde acontecia um festival com três bandas curitibanas, uma das quais eles são fãs.

Em depoimento, eles revelaram que encontraram Vincent na esquina com a Rua João Manoel, e discutiram com ele por motivo fútil já que os três estavam alcoolizados. A vítima saiu minutos antes de outra casa noturna, na Rua Presidente Carlos Cavalcanti, segundo testemunhas, chutando carros e lixeiras.

“O publicitário disse que eles entraram em luta corporal e que o francês deu um golpe conhecido por ‘mata leão’ nele. Para se defender, ele sacou um canivete que tinha no bolso e desferiu o golpe na vítima”, conta o delegado Cristiano Quintas.

O publicitário relatou que jogou o canivete fora depois do crime. Já o projetista disse que acompanhava o amigo, mas não se envolveu no embate físico. Assim que Vincent caiu, os dois amigos desceram a rua e foram para o show, sem socorrer a vítima.

Somente 40 minutos depois uma pessoa que passava pela rua encontrou o francês caído e chamou socorristas do Siate, mas o rapaz já estava morto. “Eles disseram que só souberam da morte da vítima no dia seguinte, pela imprensa”, conta o delegado.

Três dias depois do crime, a equipe da DH divulgou imagens da fuga dos dois amigos logo após ferirem Vincent. Na quinta-feira, novas imagens, mais nítidas, foram entregues por moradores da região, e a dupla foi identificada. Já sabendo da possibilidade da prisão, o publicitário e o projetista se apresentaram.

Como havia passado o período de flagrante, os amigos foram interrogados e liberados. Eles serão indiciados pelo homicídio, mas devem aguardar julgamento em liberdade.