Policiais da Delegacia de Furtos e Roubos desmantelaram no final de semana, em Curitiba, um grupo de universitários suspeitos de praticar sequestros relâmpagos na cidade. Segundo as investigações, mulheres eram abordadas pelos criminosos sempre bem vestidos, e obrigadas a fazer saques em bancos e realizar compras com cartões de crédito em lojas. Dos três membros do grupo identificados, dois estão presos e um terceiro conseguiu fugir.

Para o delegado-chefe da Delegacia, Luiz Carlos Oliveira, pelo nível, os presos não precisavam se envolver com crime. “Surpreende o fato dos dois suspeitos, com boa escolaridade, com perspectivas de futuro profissional, estarem envolvidos com um crime grave e de alto risco”.

A polícia começou as investigações a partir da desconfiança do vendedor de uma loja de eletrônicos, que estranhou quando dois homens vestindo paletó e gravata fizeram várias compras na tarde de sexta-feira (09), com o cartão de crédito e talão de cheques de uma mulher que os acompanhava. Ao fazer contato com a família da compradora, o funcionário ficou sabendo que se tratava de um sequestro relâmpago.

 

Ao serem avisados pela família da vítima, policiais da DFR foram até a loja e conseguiram prender Gustavo Bonfim Gavião Oliveira, 22 anos. Ele esperava a liberação das mercadorias, enquanto os seus companheiros já tinham saído da loja levando a vítima, que foi liberada logo depois. Ela tinha sido abordada no início da tarde por três homens, quando entrava no seu veículo estacionado na rua Augusto Severo, Alto da Glória.

 

Com base em informações, os policiais prenderam na segunda-feira (12) Sirineu Rodrigues da Silva, 22 anos, em sua residência no conjunto Caiuá, Cidade Industrial de Curitiba. Com ele a polícia encontrou um revólver calibre 38, usado para ameaçar as vítimas. O terceiro integrante, Carlos Eduardo Kato Gomes, 25 anos, conseguiu fugir.

De acordo com as investigações, Gomes e Oliveira cursam Tecnologia Logística, em uma faculdade de Curitiba, e juntos com Silva são responsáveis por vários sequestros relâmpagos. Algumas vítimas já compareceram à delegacia e fizeram reconhecimento dos presos. Eles foram autuados em flagrante por extorsão mediante sequestro e podem pegar de seis a doze anos de prisão. Silva também vai responder por porte ilegal de arma de fogo. Buscas estão sendo realizadas para localizar e prender Gomes. As investigações continuam para apurar o envolvimento de outras pessoas com o grupo.