Policiais do 20º Subdivisão Policial de Toledo prenderam, nesta sexta-feira (19), dois homens acusados de participar de um latrocínio (roubo com morte), no início do mês, em Toledo, no Oeste do Paraná. Cezar Paulo Leigtweis, 18 anos, e Cristiano Henrique da Conceição Costa, vulgo ?Titi?, 19, foram presos em suas residências nos bairros Vila Industrial e Boa Esperança, respectivamente. Outro integrante da quadrilha, adolescente, já foi identificado pela polícia e está foragido. Os três são acusados de terem assassinado a comerciante Leila Maria Kaefer, 32 anos.

?Este crime teve bastante repercussão aqui em Toledo. A vítima colaborou com os assaltantes e mesmo assim foi baleada?, conta o delegado Alexandre Macorin, da 20º SDP. Segundo o delegado, as diligências só foram possíveis graças a denúncias anônimas de pessoas do bairro.

?Recebemos uma denúncia de uma pessoa, três dias após o crime, que dizia ter sido testemunha do assalto. Essa pessoa nos passou mais três nomes. Conseguimos intimar apenas duas, pois o adolescentes ainda está foragido?, detalha o delegado.

Ainda segundo o delegado, todos os acusados têm passagem pela polícia durante a adolescência. ?Temos informações de que esse adolescente que teria colaborado com o crime, já estava foragido do Centro de Sócio-Educação (Cense) de Cascavel. Ele é acusado de duas tentativas de homicídio?, completa.

Crime

Segundo testemunhas, por volta das 16h45 do dia dois de janeiro, uma moto parou em frente à mercearia Schmidt, no bairro Boa Esperança, em Toledo. Quem pilotava a moto seria o adolescente foragido. Ele também teria buzinado, enquanto Cristiano Henrique assaltava. ?Eles tiveram a idéia de fazer barulho fora da mercearia, para que ninguém escutasse os gritos da vítima?, conta o delegado.

Cristiano teria entrado na loja, dado voz de assalto e pedido para a vítima entregar o dinheiro. Leila entregou a ele cerca de R$70 dentro de uma sacola. Ao sair da mercearia, Cristiano enroscou a sacola em uma prateleira e derrubou o dinheiro no chão. Na tentativa de ajudar o assaltante, Leila abaixou para pegar o dinheiro e teria recebido um tiro no tórax, de uma arma calibre 32. ?Provavelmente Cristiano achou que Leila iria reagir ao assalto e acabou atirando nela?, comenta o delegado.

Segundo as testemunhas, era Cezar Paulo quem vigiava o local e ligou para os comparsas avisando que poderiam ir até o local para assaltar. De acordo com o delegado Alexandre, os acusados chegaram a apresentar álibi dizendo que não estavam no local no dia do crime. ?O álibi era furado. Houve contradições durante o interrogatório e as informações das testemunhas eram suficientes para nos dar certeza de que eles eram os assaltantes?, finaliza o delegado.