Cinco dias sem comer, ferida, perdida e assustada, a montanhista Denise Ciunek, 38 anos, que estava desaparecida há 17 dias, foi localizada às 14h50 de ontem, por uma equipe do Corpo de Bombeiros de Morretes. As buscas foram realizadas durante todo este período, com apoio do Grupo de Operações Especiais de Socorro Tático (Gost), de Curitiba.

Em 19 de agosto Denise preencheu uma ficha do Instituto Ambiental do Paraná informando que iria pela trilha do Itupava até Morretes, no litoral, e retornaria no mesmo dia. Ela já tinha feito o mesmo caminho várias vezes. Por segurança, levou uma barraca e comida extra. Isso foi o que a salvou.

No primeiro dia de trilha ela foi abordada por um homem armado e obrigada a acompanhá-lo caminhando, por cerca de meia hora. “Em um instante de distração, ela acertou um golpe nele e conseguiu fugir. Correndo desesperadamente, saiu da trilha e caiu em um barranco, até parar em um rio”, conforme contou o tenente Giovani, comandante das operações. Desorientada depois da queda, Denise andou a esmo por vários dias.

No dia 26, os bombeiros foram avisados do desaparecimento dela por uma vizinha, que percebeu que a montanhista não tinha retornado para casa, e iniciaram as buscas.

Um montanhista que tentou ajudar os bombeiros também se perdeu, mas foi localizado ileso no dia seguinte. Depois de dois dias de procura, os bombeiros localizaram um boné de Denise.

Socorro

Na tarde de ontem, ela foi localizada perto da estação de trem do Véu da Noiva, na região do Cadeado Ipiranga, 500 metros fora da trilha. “Ela está com hipoglicemia e desidratada por que levou comida para sete dias apenas. Mesmo racionando o alimento, passou cinco dias sem comer e bebia apenas a água da serra, que não é 100% potável”, revelou o oficial.

Levada até a estação de trem Engenheiro Lange, de lá foi levada até o Corpo de Bombeiros de Antonina para encontrar o helicóptero da Polícia Rodoviária Federal. Às 17h30 já estava sob cuidados médicos no Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo, acompanhada da irmã.

“Com certeza ela terá alta em breve por que, mesmo debilitada, o único ferimento que tem é uma torção no pé, ocorrida quando tentou correr para pedir ajuda a passageiros de um trem”.

A orientação do Corpo de Bombeiros é para que as pessoas nunca façam trilhas em locais que não conhecem e não sigam pela mata sozinhas. Mesmo que o tempo esteja quente e que o passeio seja de apenas uma tarde, é importante levar roupas quentes e comida extra.