Duas mulheres foram baleadas e jogadas de cima da ponte sobre o Rio Açungui, em Campo Largo, na madrugada de ontem, mas o crime só foi descoberto à noite. Uma delas, identificada apenas como Suzana, de pouco mais de 20 anos, morreu no local.

Luciana Aparecida Carneiro, 19, ficou por mais de 12 horas segurando-se a pedras nas margens do rio, esperando socorro. Ela foi levada pelo Siate em estado grave ao Hospital Nossa Senhora do Rocio, no município.

As mulheres foram encontradas por um homem, que trabalha com reflorestamento de pinus numa fazenda próxima. Ele voltava para casa a pé quando passou por cima da ponte, na Estrada da Jazida, bairro Itambezinho, zona rural de Campo Largo – e avistou as vítimas. O homem correu até um bar próximo e pediu ajuda.

Execução

Segundo levantamento dos soldados Altair e Magatão, do 17.º Batalhão da Polícia Militar, as mulheres foram levadas de carro até o local, por alguns homens. Em cima da ponte, foram baleadas e jogadas de pelo menos 15 metros.

O colar de uma delas ficou arrebentado no asfalto, ao lado de manchas de sangue. No parapeito da ponte também ficaram marcas de sangue e fios de cabelo.

O morador que encontrou as vítimas disse que ouviu tiros por volta das 4h10 de ontem, seguido de barulhos de um automóvel saindo em alta velocidade do local. De manhã, saiu para trabalhar e não viu nada diferente nas proximidades. Só encontrou os corpos por acaso, quando passava na ponte por volta das 18h.

Suzana morreu por conta do tiro no rosto e da queda sobre a vegetação. Segundo informações extra-oficiais, ela seria garota de programa, moradora no bairro Bom Jesus.

Luciana levou um tiro no rosto, dois nas nádegas e outro no ombro, e caiu dentro da água. Moradora no bairro Rivabem, ela teria sido baleada apenas por estar na companhia de Suzana.