Misael da Luz é acusado
de vários homicídios.

A investigação realizada por policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) nas proximidades de uma residência no bairro Pilarzinho, resultou na prisão de Misael Teodoro da Luz, 22 anos, o “Neneco”, acusado de ter participado de seis assassinatos. Dentre os casos há um duplo homicídio.

De acordo com o delegado Messias da Rosa, a prisão ocorreu em cumprimento a um mandado expedido pela Comarca de Almirante Tamandaré. Misael é considerado um indivíduo de alta periculosidade, foragido da Delegacia Antitóxicos desde outubro do ano passado. Ele também é responsável, em companhia de outros comparsas, por seqüestros-relâmpagos e assaltos a estabelecimentos comerciais em Santa Felicidade e adjacências. Possui passagem por roubo em Itajaí (SC).

Os assassinatos imputados a Misael tiveram início há cerca de 18 meses. A primeira vítima foi um indivíduo conhecido por Jeferson, o “Rato”, morto em Araucária com vários tiros de pistola nove milímetros. No bairro Tanguá, em Almirante Tamandaré, ele é apontado como o assassino do próprio irmão – Luís Carlos Teodoro da Luz -que foi executado com dez tiros. O crime teria sido passional. O terceiro assassinato aconteceu em setembro na Vila Verde, também bairro Tanguá. A vítima foi um homem identificado como Alex e que seria traficante na região.

Prisão

Depois desse crime, Misael foi preso pela Antitóxico, em companhia de um menor, com entorpecente. Fugiu do xadrez em dezembro e voltou a matar. Em janeiro participou do duplo homicídio no Conjunto Bracatinga, Pilarzinho, onde morreram Adilson e Amauri. O último assassinato atribuído a ele, ocorreu há três semanas, também no bairro Tanguá, e contou com a participação de Rodrigo Verneck, o “Gauchinho”, que está sendo procurado pela polícia. Nessa ocasião, foi executado Valter Vieira.

Durante a apresentação à imprensa, Misael não quis comentar os homicídios e disse que os cometeu apenas por desavenças pessoais. Uma das características dos assassinatos, cometidos por ele e seus comparsas, é que as vítimas eram executadas sempre com dez tiros ou mais e por motivos fúteis, conforme informou o delegado.

Além de Verneck fazem parte da quadrilha Idson Augusto Zela, o “Ide”; e Rafael Borba, o “Caneca”. Ambos são traficantes e agem em Curitiba e Itajaí (SC), segundo Messias, que já possui mandados de prisão para eles.

A polícia informou que a quadrilha é responsável por inúmeros seqüestros-relâmpagos no bairro Tanguá e Pilarzinho, onde as vítimas eram mantidas presas dentro de veículos enquanto saques eram realizados em suas contas bancárias.