O Grupo de Diligências Especiais (GDE) de Foz do Iguaçu prendeu, na noite da última segunda-feira, Estevão Neves Lopes, 35 anos, suspeito de abusar sexualmente de uma criança de 3 anos em Curitiba, em 2004.

Segundo a denúncia do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), naquele ano, Lopes se passava por cantor evangélico e fugiu da capital ao ter mandado de prisão preventiva expedido contra ele, em 2006.

O acusado estava foragido em Foz do Iguaçu há um ano, onde tinha familiares e trabalhava em uma lan house. “Ele negou o crime e disse que só falará em juízo”, disse o delegado-chefe da 6.ª Subdivisão de Polícia Civil de Foz do Iguaçu, Alexandre Macorin.

Estevão disse ter saído de Curitiba para Foz do Iguaçu em 2006, depois passando para a cidade de Ilha Solteira (SP), de onde é natural, e então voltado para Foz. “A prisão foi feita através de uma foto do acusado. Descobrimos que trabalhava em uma lan house, na terceira que foi verificada ele foi encontrado”, detalhou o delegado.

“Ele responde pelo artigo 214, atentado violento ao pudor. Por enquanto está sob a responsabilidade da delegacia, mas será transferido para a cadeia pública até que seja pedida a sua transferência”, disse o delegado.

Cornélio Procópio

Acusado de atentado violento ao pudor contra duas adolescente de 15 e 13 anos, o defensor público Luiz Guilherme Nogueira, 30 anos, foi preso, na madrugada de ontem, em Cornélio Procópio.

Ele teria dopado as meninas com remédios, e tentado embriagá-las para manter relações sexuais. Luiz Guilherme foi preso em flagrante ao ser apanhado lavando um colchão sujo de sangue e um celular com fotos pornográficas. As meninas foram encaminhas para exames que comprovem se houve ou não relação sexual.