Os interventores judiciais da Vasp, liderados por Raul Medeiros, fizeram hoje uma nova proposta para os credores da companhia aérea que não quiserem aderir ao Fundo de Investimentos e Participações (FIP). De acordo com a idéia inicial do plano de recuperação judicial da Vasp, os credores poderão trocar dívidas por cotas desse fundo, que terá no seu patrimônio imóveis e eventuais créditos obtidos na Justiça.

A nova proposta prevê um desconto de 65% no pagamento das dívidas com os credores que ficarem de fora do FIP, a ser amortizado em 15 anos – com cinco anos de carência, a contar a partir da data de reinício das operações da Vasp (que ainda não tem prazo para ocorrer). A partir daí seriam mais 10 anos em pagamentos semestrais, com correção pelo INPC mais 2,5% de juros ao ano.

A assembléia de credores começou às 10 horas, na sede da Vasp, ao lado do Aeroporto de Congonhas, reunindo cerca de 250 pessoas. Os credores votarão ainda hoje a aprovação do plano de recuperação ou marcarão uma nova reunião para tratar do assunto. Se o plano for aprovado, os credores terão 30 dias para manifestar a sua adesão à proposta do FIP ou à opção de pagamento com desconto.

O interventor da Vasp, Raul Medeiros, afirmou que a empresa pretende voltar a voar com 12 aeronaves em leasing. Os aviões antigos da Vasp serão vendidos. Muitos credores se mostraram contrários à proposta de desconto no pagamento das dívidas e chegaram a pedir a suspensão da assembléia, mas a idéia foi recusada pelos demais.