Iago Gonçalves, 26 anos, um dos condenados pela morte do policial civil Marcos Gogola, em setembro de 2013, foi preso em Quitandinha, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), nesta segunda-feira (4), por conta da investigação de um assalto a uma loja de eletrônicos que fica na Lapa (RMC). Iago é condenado a 48 anos de prisão e estava foragido. A morte do policial Gogola ocorreu em Campo Largo, na RMC, e o caso causou comoção na cidade na época. Ele era um investigador muito conhecido pela população.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Segundo a Polícia Civil, a operação que prendeu Iago Gonçalves nesta segunda foi realizada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), em conjunto com o 28.º Batalhão da Polícia Militar da Lapa. Além da captura do fugitivo, que estava com três mandados de prisão em aberto, o Cope também encontrou drogas em posse dele e produtos roubados durante um assalto a uma loja de eletrônicos na cidade da Lapa, ocorrido no dia 30 de janeiro deste ano. As informações são de que Iago está preso na sede do Cope. Um comparsa de Iago também foi preso na mesma operação. Os dois haviam participado do assalto.

+ Quatro indivíduos são condenados por morte de policial civil 

Foragido

Iago Gonçalves cumpria pena no presídio de Piraquara, na RMC, mas fugiu ao trocar de roupa com seu irmão durante o horário de visitas, em dezembro de 2015, saindo pela porta da frente da instituição prisional. Um mês depois já em janeiro de 2016, ele voltou a ser preso em Araucária (RMC), no momento em que embarcava em um ônibus. Passados dois anos preso, Iago Gonçalves fugiu da PEP 1 em setembro de 2018, na leva de presidiários que escaparam do local depois que um grupo armado explodiu o muro do presídio.

Homem é preso acusado de estuprar a sobrinha de dez anos em Curitiba