Uma carreta com produtos defumados foi roubada no amanhecer desta sexta-feira (9) e o motorista, de 35 anos, foi feito refém em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Porém, o susto durou poucas horas. Por volta das 10h, o veículo que trafegava pela serra de São Luiz do Purunã, em Balsa Nova, também na região metropolitana, foi recuperado no Sítio Cercado pela Polícia Militar (PM), próximo ao Ceasa, e o motorista encontrado na Borda do Campo, em São José. Ninguém foi preso.

+Leia também: Na contramão, motorista deixa grávida ferida em acidente e some do local!

Segundo informações da PM, o veículo foi recuperado por equipes da 4ª Companhia do 13º Batalhão, depois que a empresa responsável pelo rastreamento da carga informou que a carreta estava parada na Rua Moreira Sáles. Duas equipes foram até o local e a encontraram quase intacta. Os lacres das portas estavam rompidos, mas os paletes estavam completos, com todos os produtos no lugar. Aparentemente, nada foi roubado. A carreta estava parada em um posto de gasolina. A suspeita da PM é de que os suspeitos tenham estacionado para testar se o rastreador do veículo ainda estava funcionando.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre futebolentretenimentohoróscopo, nossos blogs exclusivos e os Caçadores de NotíciasVem com a gente!

A PM ainda contou que o motorista foi abordado em São Luiz do Purunã. Dois homens armados o fizeram de refém e o levaram de carro até a Borda do Campo. Um capuz foi colocado na cabeça dele. O motorista não soube dizer quem e nem quantos podem ter dirigido a carreta até o Sítio Cercado. O motorista foi simplesmente deixado em via pública.

Na tarde desta sexta-feira, os soldados da PM responsáveis pelo atendimento da ocorrência fizeram o relato da ocorrência na Delegacia de Furtos e Roubos de Cargas (DFRC), no Campina do Siqueira, em Curitiba. O caso será investigado.

Unidos pela paixão por carros clássicos, pai e filho viram ‘melhores amigos’