A Secretaria de Estado da Educação esclarece que cumpre medidas administrativas rotineiras quanto à verificação de denúncias de falta funcional, que a direção da APP-Sindicato afirma, erroneamente, se tratar de perseguição contra diretores de escolas que não encaminharam o relatório de faltas dos professores, por meio de processos administrativos disciplinares. ?É uma acusação de má fé?, alega o secretário da Educação, Mauricio Requião.

?Estão querendo transformar este fato em um cavalo de batalha, aproveitando-se do período eleitoral?, afirma. ?Atualmente a Secretaria tem algo em torno de 60 processos administrativos por falta funcional e apenas cinco deles envolvem diretores, pelo não envio dos relatórios de faltas?, ressalta Mauricio.

O papel da secretaria é o de assegurar que o processo pedagógico não tenha defasagem e isto inclui o número de dias letivos, pois os alunos não podem ser prejudicados. ?A denúncia era de que não houve aula e nem a reposição. O processo é iniciado, mas, no momento que seja comprovado o envio das faltas e a reposição de conteúdos aos alunos, o processo se extinguirá?, explica Zênio de Oliveira e Silva, chefe do Departamento Jurídico da Secretaria.