A carne bovina com destino à Rússia não precisará de certificação sanitária para entrar no país. As autoridades sanitárias russas vinham exigindo o atestado de ausência de doença vesicular nos últimos 12 meses para todos os estados produtores de carne. Agora, a exigência só será feita para os locais onde a enfermidade foi registrada a menos de um ano.  

As exportações para o mercado russo estavam suspensas desde abril deste ano devido ao surgimento de um foco de Scrapie, doença de origem nervosa que ataca o cérebro de ovinos, no Paraná. Como essa enfermidade não ocorre em bovinos, a Rússia resolveu retirar a exigência da certificação. ?A decisão da Rússia prova que a nossa carne tem credibilidade junto ao mercado internacional. A cada mês estamos conseguindo vender mais para outros países. Para não comprometer o comércio com a União Européia, algumas medidas em relação à rastreabilidade serão mudadas. Uma das alterações é que será preciso rastrear o animal no prazo mínimo de 60 dias para exportar o produto para a Europa?, destaca o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) José Olavo Borges Mendes. Ontem (12/06), ele participou em Brasília de uma reunião no Mapa onde foram discutidas novas diretrizes da rastreabilidade no Brasil.