A perda da validade da Medida Provisória 252/05, a chamada MP do Bem, foi destacada pelo presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, na noite desta quarta-feira (12), em Fortaleza. Okamotto lamentou a queda da MP, ressaltando que se tratava de "um fato que já tinha benefícios sendo colocados em prática. Além disso, tinha um aspecto que beneficiava diretamente a micro e pequena empresa que consistia no enquadramento das microempresas de R$ 120 mil para R$ 240 mil e das pequenas, de R$ 1,2 milhão para R$ 2,4 milhões".

As declarações do presidente do Sebrae foram feitas na abertura da ‘IV Expo Brasil de Desenvolvimento Local’, que acontece no Centro de Convenções Edson Queiroz até o próximo sábado (15). O objetivo do evento é divulgar histórias de sucesso, envolvendo ações de desenvolvimento local e sustentável. Para isso, serão apresentadas experiências que deram certo no País inteiro e que podem ser replicadas em outras regiões.

A Expo Brasil é uma realização da Rede de Integração do Terceiro Setor (Rits) e, desde sua primeira edição, conta com o apoio do Sistema Sebrae. Mais de 2 mil participantes estão sendo aguardados, entre eles representantes de organismos internacionais, governos federal, estaduais e prefeituras, organizações da sociedade civil, universidades, entre outros.

Desafios do Sebrae

Na manhã desta quinta-feira (13), Paulo Okamotto visitou a sede do Sebrae em Fortaleza, onde esteve reunido com técnicos e colaboradores da Instituição. No auditório, Okamotto fez ampla exposição sobre a estrutura e os principais programas e propostas do Sebrae como a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, que prevê medidas que facilitam a vida das micro e pequenas empresas; a Gestão Estratégica Orientada para Resultados (Geor), que monitora e acompanha quase 400 projetos no País; e os Arranjos Produtivos Locais (APL).

O presidente do Sebrae também falou sobre a chamada ‘Revolução no Atendimento’ em curso na Instituição. Como exemplos de ações para ampliar o atendimento, foi citada a renovação dos programas de rádio do Sebrae, veiculados por 460 emissoras, que atingem 5 milhões de ouvintes, além da edição de revistas em quadrinhos com personagens desenhados pelo cartunista Ziraldo. "Todo este esforço é para que o Sebrae fique mais próximo dos pequenos empresários", afirmou Okamotto. Este ano, o programa de rádio e os gibis ‘A gente sabe, a gente faz’ ensinam o ouvinte/empreendedor a vender mais e melhor.

Paulo Okamotto destacou que, entre as metas previstas para 2006, está a redução da mortalidade das empresas de 50% para 30%. Segundo estudos realizados pelo Sebrae, metade das novas empresas é fechada em dois anos de existência e, destas, só 3% procuraram o Sebrae em busca de orientação. "Mais do que as dificuldades que conhecemos como a alta taxa de juros e o peso da burocracia, precisamos reconhecer que este número revela, sobretudo, um grande despreparo dos empreendedores e é isso que precisamos mudar", destacou o presidente do Sebrae, que enfatizou ainda, a luta do Sistema Sebrae pela aprovação da Lei Geral.

Depois do encontro no Sebrae, Paulo Okamotto, seguiu para o Palácio Iracema, sede do governo do Estado, onde está reunido com o governador Lúcio Alcântara. A reunião conta ainda, com a presença do superintendente do Sebrae no Ceará, Alci Porto. À tarde, Okamotto segue para o município de Ocara, a 81 quilômetros de Fortaleza, onde visitará o assentamento Che Chevara, que recebe consultoria técnica e gerencial do Sebrae.