A cesta básica ficou mais barata em julho, em relação a junho, em 14 das 16 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). As quedas mais significativas ocorreram em João Pessoa (-6,84%), Recife (-6,27%) e Salvador (-4,13%).

Em julho, apenas em Porto Alegre (1,60%) e Florianópolis (0,81%) houve aumento no custo da cesta. Em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, foram constatadas baixas de 1,05%, 0,76% e 3,27%, respectivamente.

Nos primeiros sete meses de 2006, somente duas cidades – Fortaleza (1,35%) e Natal (0,97%) – apresentaram variação acumulada positiva para a cesta básica. As quedas mais expressivas ocorreram em Belo Horizonte (-11,38%), Curitiba (-10 77%), Porto Alegre (-10,60%) e Rio de Janeiro (-10,34%). Na capital federal, a cesta apresentou variação acumulada negativa de 8,42%, enquanto na capital paulista recuou 7,05%.

Feijão e tomate

De acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica do Dieese, os produtos com variação mensal negativa mantiveram a tendência de junho e determinaram, em julho, o impacto de queda no custo do conjunto alimentício essencial das capitais analisadas. Segundo o Dieese, dois produtos se destacaram, uma vez que seus preços caíram em todas localidades: feijão e tomate.

Arroz e banana

Entre as altas destacadas pelo Dieese, a do arroz ocorreu em maior número de capitais. O comportamento foi visto em 13 delas. Os efeitos da retirada dos impostos já se esgotaram e, com isso, o preço do arroz vem crescendo, em especial devido ao encarecimento de adubos químicos, decorrente da alta do petróleo.

Além do preço do arroz, a pesquisa mencionou o comportamento de alta da banana, em 12 capitais; do óleo de soja, em 11 localidades; e do pão, em dez.

O Dieese realizou a Pesquisa Nacional da Cesta Básica nas cidades de Aracaju, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória.