O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) vai pedir o indiciamento da presidente da Petrobras, Graça Foster, no relatório paralelo que a oposição apresentará na CPI Mista da estatal na próxima semana. O tucano – incumbido pelo PSDB, DEM, PSB, PPS e Solidariedade de produzir um parecer alternativo ao do deputado Marco Maia (PT-RS) – informou que a denúncia de que toda a diretoria foi alertada sobre o esquema de corrupção agrava a situação de Graça Foster.

Nessa quinta-feira, 11, Sampaio avisou que pretende pedir o indiciamento daqueles que considera envolvidos de forma comprovada no esquema, como o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef, o ex-deputado André Vargas (cassado na quarta-feira, 10), o deputado Luiz Argôlo (SD-BA), além de empresários que fizeram a delação premiada. Por falta de provas, ele não pretende incluir na lista de indiciamentos a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O relatório do petista apresentado nesta semana poupa empreiteiros e políticos.

Segundo o jornal Valor Econômico, Graça Foster e toda a diretoria da Petrobras foram alertados desde 2008 sobre as irregularidades. A ex-gerente da Diretoria de Abastecimento, Venina Velosa da Fonseca, teria enviado e-mails à atual presidente da empresa denunciando o esquema.

A oposição considera que a nova informação compromete ainda mais a situação de Graça. Para os parlamentares, a presidente da Petrobras já havia mentido quando disse que não sabia sobre as denúncias de pagamento de propina a funcionários da Petrobras pela companhia holandesa SBM Offshore.