O PDT embarcou formalmente na candidatura de José Serra (PSBD) a prefeito de São Paulo ontem (11) com críticas ao PT e à presidente Dilma Rousseff.

No palanque ao lado de Serra, o candidato derrotado do partido, deputado Paulinho da Força, disse que Dilma não cumpriu compromissos firmados com trabalhadores e afirmou que apoiava o tucano para “dividir o poder deste país”.
“Se você der mais poder ao PT, ele fica tão poderoso que não vai mais precisar dos trabalhadores”, justificou em entrevista.

Nacionalmente, o PDT é aliado do governo Dilma, mas em São Paulo apoia Geraldo Alckmin (PSDB), que estava presente no evento.

Em sua fala, Serra atacou o rival Fernando Haddad (PT) e disse que o governo não pode ser “curso de pós-graduação” para quem vai “aprender a governar”.
O tucano não falou em cargos, mas disse que o apoio do PDT “implica, no futuro, governarmos juntos, em parceria”.

O deputado Major Olímpio (PDT) também criticou Dilma no palanque. “Não tem que saudar mensaleiro, tem é que sortear quem vai pôr as algemas”, afirmou.

Mensalão

Em entrevista após o ato, Serra criticou José Dirceu. Ontem, um dia depois de ser condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) pela participação no mensalão, o petista afirmou a aliados que a vitória em São Paulo “é a melhor resposta” a adversários.

“É uma coisa estranha que alguém condenado pela Justiça suprema do país considere que o mais importante é ganhar a eleição em São Paulo, como se a eleição pudesse compensar e trazer satisfação ao grupo que hoje é considerado criminoso pela Justiça”, afirmou.

Questionado sobre o apoio dado à sua candidatura pelo PTB –cujo presidente nacional à época do caso, Roberto Jefferson, também foi condenado no processo–, Serra afirmou que “o mensalão é obra do PT”.

“Que possa ter gente daqui e dali é outra coisa. É a alma do PT que está comprometida”