Alijado da disputa eleitoral desde que teve a candidatura ao Palácio do Planalto vetada pelo PSB, o deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) estrelou na noite de hoje o programa eleitoral gratuito do correligionário Paulo Skaf, candidato a governador de São Paulo. Na inserção veiculada na TV, o ex-ministro pediu votos para Skaf e defendeu que o candidato representa a novidade no cenário paulista. “O Skaf é um homem notável, sério e preparado”, destacou Ciro. “Não sou de pedir votos para qualquer um, mas para o Skaf eu garanto e assino embaixo. Deem uma chance a Skaf e eu sei que vocês não vão se arrepender.” Na inserção, o candidato a governador ressaltou ainda que o povo de São Paulo deseja um candidato novo: “Esse alguém existe, gente. E se chama Skaf. Me dê um oportunidade.”

Os outros candidatos repetiram inserções veiculadas no início da tarde de hoje ou na noite de sexta-feira. Geraldo Alckmin, do PSDB, aproveitou a véspera do Feriado da Independência para listar iniciativas do PSDB em infraestrutura, cultura e lazer. Citou realizações como a construção do Trecho Sul do Rodoanel, o Museu da Língua Portuguesa, o Onda Limpa e a duplicação de vicinais. Alckmin destacou ainda que as dez melhores rodovias do País são paulistas e prometeu que em um eventual governo do PSDB asfaltará 5 mil quilômetros de estradas, além de duplicar as rodovias Tamoios e Euclides da Cunha.

Aloizio Mercadante, do PT, reproduziu peça exibida na semana passada, na qual destacou sua atuação no Congresso Nacional. A estratégia do petista é combater discurso do PSDB de que o candidato faltou em sessões importantes no Senado Federal que garantiram investimentos para São Paulo. Algumas das iniciativas mostradas foram o aporte de R$ 2 bilhões na expansão do metrô na capital paulista, a dragagem do Porto de Santos e o financiamento de R$ 1,2 bilhão para obras do Rodoanel. Na inserção, o locutor enumerou 13 motivos para votar no candidato do PT e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a pedir voto para o candidato.

Celso Russomanno, do PP, enfatizou a quantidade de pedágios em São Paulo e se disse indignado com os preços pagos nas estradas. “Você fica indignado com o preço dos pedágios? Eu também”, afirmou. O candidato prometeu, em um eventual governo, baixar o preço em 30% e acabar com os pedágios no Rodoanel. “Não vou permitir que as empresas façam pegadinhas em cima de vocês.”

Fábio Feldman, do PV, prometeu que sua eventual administração vai valorizar o ensino público, com a busca de mecanismos mais modernos e eficientes de ensino.

Igor Grabois, do PCB, defendeu a ação dos militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Mancha, do PSTU, pregou o não pagamento da dívida pública estadual, que, segundo ele, subiu de R$ 46 bilhões para R$ 145 bilhões nas administrações do PSDB.

Anaí Caproni, do PCO, ressaltou ser contra a privatização de serviços públicos, como teria sido feita pelo PSDB em São Paulo. No programa do PSOL, o candidato Paulo Bufalo defendeu que o governo do Estado precisa dedicar um volume maior de recursos à área da cultura.