Rosto conhecido desde que discursou da tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná durante a ocupação de escolas em outubro do ano passado, a estudante secundarista Ana Júlia, de 16 anos, recebeu uma homenagem do ex-presidente Lula no Facebook. No início da noite desta quinta-feira (11), o petista postou uma foto abraçado à jovem, tirada no palco de onde ele discursou na Praça Santos Andrade, em Curitiba, após depor por quase cinco horas ao juiz Sergio Moro.

Nesta quarta-feira (10), diante de milhares manifestantes que vieram à capital paranaense prestar apoio a ele, Lula já havia anunciado a filiação da estudante ao PT. “Ana Júlia me disse: em resposta ao que estão fazendo com você, vou me filiar ao PT”, afirmou. Em seguida, de microfone nas mãos, a jovem disse que o ex-presidente foi “quem mais construiu universidades neste país”. “Educação não é gasto. Educação é investimento”, respondeu o petista.

LEIA MAIS: Conheça Ana Júlia, a jovem que emocionou após discurso

E o encontro entre eles foi destacado por Lula no Facebook. “Na noite desta quarta-feira (10) Lula voltou ao palco em Curitiba e chamou a secundarista curitibana Ana Júlia! Emocionada, ela agradeceu e disse estar feliz por dividir o palco com o presidente que mais universidades fez no Brasil!”, diz a postagem.

Na Assembleia

Escalada para defender as ocupações que tomaram mais de 850 escolas no Paraná no final de 2016, em protesto contra a reforma do ensino médio, Ana Júlia fez um discurso emocionado e firme da tribuna do Legislativo paranaense, diante dos deputados estaduais. O vídeo logo “viralizou” na internet.

“Nós [estudantes] fomos a categoria mais combativa contra o golpe e contra os retrocessos em 2016. Em 2017, não vamos abaixar a cabeça. Vai ter luta sim. Fora, Temer”, discursou ela. “A indignação foi o que fomentou as ocupações. Nós continuamos indignados e vamos continuar lutando.”

A jovem ainda convidou os parlamentares a ir às ocupações e disse que os alunos aprenderam mais sobre política e cidadania em uma semana de educação do que nas aulas regulares. “Deixamos de ser adolescentes e viramos cidadãos”, disse na ocasião.