A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, estará em Curitiba, amanhã, 30. Ela vem à cidade para participar da abertura do Congresso Nacional dos Fundos de Pensão, a ser realizado no Centro de Convenções Embratel, a partir das 19h30.

A agenda oficial da ministra ainda não foi divulgada pelo diretório estadual do PT, mas, informalmente, já se sabe que está sendo programado um encontro entre a ministra e o governador Roberto Requião (PMDB), que se tornou uma pedra no sapato do presidente Lula no seu projeto de construir uma aliança em torno da candidatura da ministra à presidência da República.

Após seu compromisso no congresso previdenciário, a ministra iria à Granja do Canguiri para conversar com o governador. Embora tenha manifestado simpatia à pré-candidatura da ministra do PT à presidência da República, em entrevistas, Requião se recusa a compor um palanque único no Paraná com o PDT e PT à sucessão estadual.

Requião rejeita a proposta de levar o PMDB do Paraná a apoiar o senador Osmar Dias (PDT), seu adversário na eleição para o governo, em 2006. Se houver algum empecilho à conversa entre Requião e a ministra, desta vez, haverá uma nova oportunidade no próximo dia 5 de outubro, quando Dilma volta a Curitiba para a apresentação do balanço das obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Por enquanto, a programação não está definida. Mas no mesmo dia, a ministra irá a Londrina assinar os contratos de construção de duas mil casas, que serão financiadas pelo programa Minha Casa Minha Vida.

Ontem, a equipe médica responsável pelo tratamento da ministra contra um câncer linfático anunciou que Dilma está curada da doença. “Recuperei a minha energia, está na cara que eu recuperei”, disse.

“Estou pronta para o que der e vier, não sei para o quê, mas para que der e vier”, afirmou ao ser questionada se estava pronta para começar sua campanha como pré-candidata a sucessão de Lula.

Contrariado

O governador do Paraná também mantém contatos frequentes com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia (PSDB), que tenta convencê-lo a se aliar aos tucanos.

Quércia é do PMDB que já decidiu apoiar o governador de São Paulo, José Serra, à presidência da República. Tão contrariado está o governador Roberto Requião com as posições do PT, e de algumas de suas lideranças locais, que manifestam preferência por uma aliança em torno da candidatura do senador Osmar Dias, que foi para o interior do Estado quando o presidente Lula veio ao Paraná, há onze dias.

Lula foi acompanhado pelo senador Osmar Dias. Parte do PMDB acha que o PT poderia compor um palanque encabeçado pelo vice-governador Orlando Pessuti na disputa para o governo nas eleições do próximo ano.

Amanhã, a ministra chegara por volta das 16 horas, em Curitiba. Antes do Congresso, às 17 horas, ela acompanha a presidente estadual do PT, Gleisi Hoffmann, a uma visita ao Hospital Erasto Gaetner, o centro de referência no tratamento de câncer no Estado. Dilma irá se reunir com a direção do Hospital e o grupo de voluntariados.