A presidente Dilma Rousseff afirmou que o Brasil e a Argentina conseguiram nos últimos anos uma relação de confiança. Ao final de sua primeira viagem ao exterior, onde permaneceu por cerca de sete horas, a presidente disse que muitos países tentaram ao longo da história distanciar os dois países. “Houve interesse de várias nações de nos separar”, disse Dilma, lembrando que assim como as ferrovias dos dois países enfrentaram problemas por terem bitolas diferentes, agora são necessários conversores para transmitir energia de um lugar para outro.

Dilma disse que o que mais a impressionou em Cristina Kirchner, a presidente argentina, foi a determinação em construir com o Brasil uma aliança estratégica. “A mesma determinação que eu tenho, aliás”, afirmou.

Ela disse que o ex-presidente Lula e o falecido ex-presidente argentino Nestor Kirchner, marido de Cristina, estabeleceram uma relação de parceria entre as duas nações. “Há uma coisa fundamental entres as pessoas e as nações: a confiança. Acho que hoje há entre Brasil e Argentina uma relação de confiança”, pontuou. “Nós podemos cada um, obviamente com seus interesses, construir um caminho”, acrescentou Dilma.

A presidente recebeu dados do governo argentino de que a parte argentina da represa de Garabi será construída no próximo ano.