Na última sessão deliberativa antes do recesso parlamentar, a CPI da Petrobras colocará em votação nesta quinta-feira, 9, novos requerimentos de convocação. Todos os 430 pedidos protocolados estarão à disposição do plenário para votação, entre eles as convocações dos ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Edinho Silva (Secretaria de Comunicação Social da Presidência).

Partidos de oposição pressionam pela convocação dos ministros da presidente Dilma Rousseff, mas, no entanto, não há consenso entre os membros da comissão. Alguns parlamentares acreditam que ainda não seja o momento, já que o presidente do PMDB e vice-presidente da República, Michel Temer, tenta desde o início da semana colocar panos quentes no conflito entre peemedebistas e petistas. Entretanto, o presidente da Câmara e que tem o controle virtual da comissão, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não faz esforços para amainar a situação.

Deputados acreditam que o Cardozo poderia ser convocado com mais facilidade pelo plenário, já que existem alas do PT defensoras da “fritura” do ministro. Com esse intuito, fariam “corpo mole”, garantido assim a oitiva de Cardozo.

Apesar de mandar colocar todos os requerimentos na pauta, o presidente da comissão, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), disse que a preferência na votação será dada ao bloco de requerimentos do relator Luiz Sérgio (PT-RJ). Os petistas avisaram que não aceitarão votar a convocação de ministros, nem mesmo do ex-ministro José Dirceu, que é o primeiro item da pauta.

Das convocações dadas como certas estão a do executivo da Toyo Setal Júlio Camargo, do policial Jayme Alves de Oliveira Filho, o Careca, de Adarico Negromonte (irmão do ex-ministro Mário Negromonte) e de Rafael Angulo Lopes (responsável pelo “cofre” do doleiro Alberto Youssef).