O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), oficializou nesta segunda-feira a recriação da Secretaria de Governo. O titular da pasta será Saulo de Castro Abreu Filho e um de seus focos será o acompanhamento de projetos estratégicos do governo.

Ela será dividida em duas subsecretarias: Ações Estratégicas e Parceria e Inovações. “Com a criação da Secretaria de Governo, estamos extinguindo a de Gestão Pública, cujas atribuições serão divididas entre a de Planejamento e a de Governo. Estamos atravessando um novo momento, que exige eficiência no cumprimento das políticas públicas, na entrega de obras e na formulação de aprimoramentos das políticas públicas”, destacou Alckmin.

A Unidade de Parceria Público Privada, que hoje é vinculada à Secretaria de Planejamento, passa a integrar também a Secretaria de Governo. De acordo com o governador, caberá à pasta fomentar parcerias com o setor privado e organizações sociais, o que permitirá ao Estado ampliar sua capacidade de investimento sem aumentar a pressão sobre os recursos do tesouro estadual.

Na avaliação do governo tucano, com a desaceleração da economia, os próximos anos exigirão, em termos fiscais, muita criatividade da administração pública para garantir a continuidade dos programas e ações do governo. E para atrair o setor privado, ficarão vinculadas a essa pasta as agências reguladoras do governo, como a Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo) e a Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia). Também ficará ligada à secretaria a Corregedoria Geral da Administração (CGA).

Saulo é um dos principais colaboradores de Geraldo Alckmin, desde sua primeira gestão à frente do governo paulista. Ele é mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC), procurador de Justiça desde 1987, foi corregedor geral do governo, presidente da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem), atual Fundação Casa, em 2001, secretário da Segurança Pública, entre 2002 e2006, secretário de Logística e Transportes, entre 2011 a 2014 e nomeado secretário-chefe da Casa Civil este ano, quando o titular, Edson Aparecido, deixou a gestão estadual para coordenar a campanha de reeleição de Alckmin.