O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) em parceria com a Delegacia de Engenheiro Beltrão, prendeu nesta sexta-feira (10) um homem acusado de ser o mandante do assassinato do prefeito do município de Fênix, Manoel Custódio Ramos (PMDB). Sidney Aparecido Faria, 33, foi preso dentro da própria delegacia, depois que a justiça expediu um mandando de prisão contra ele.

Segundo a polícia, Farias trabalhava como chefe do almoxarifado na prefeitura de Fênix e era o braço direito do prefeito. ?Descobrimos que Farias e o prefeito andavam se desentendendo e por esse motivo, ele teria tido seus privilégios cortados dentro da prefeitura. Com raiva por perder suas ?regalias? ele resolveu mandar matar o prefeito Manoel Custódio Ramos?, explicou o delegado do Cope, Renato Bastos Figueiroa, que auxiliou nas investigações.

Com o mandado de prisão em mãos, o delegado pediu para que Farias fosse até a delegacia. Ao chegar no local, juntamente com seu advogado, o homem foi preso pela polícia. De acordo com o delegado, a polícia chegou até o acusado através de um traficante da cidade que teria recebido uma proposta de Sidney para executar o prefeito. Segundo o traficante, caso ele aceitasse realizar o serviço, receberia uma quantia de R$ 15mil.

Ainda de acordo com o delegado, agora a polícia está à procura do homem que executou o trabalho. ?Como este traficante não aceitou, Sidney partiu a procura de outra pessoa. Já temos a identificação desta pessoa e em pouco tempo ele deverá ser preso?, contou Figueiroa. A polícia acredita ainda que outras pessoas estão por trás do assassinato do prefeito, uma vez que Sidney não teria todo o dinheiro para realizar o pagamento pelo crime. ?Com certeza existem pessoas que financiaram este assassinato. Deveremos descobrir isso em breve?, declarou o delegado de Engenheiro Beltrão, Claudimar Lúcio Lugli, que a partir de agora vai presidir o inquérito.

Sidney Aparecido Farias, permanece preso na delegacia de Engenheiro Beltrão e deverá responder por homicídio qualificado, cuja pena varia de 12 à 30 anos de prisão.