Depois de ganhar cinco ministérios em troca do apoio ao governo e apresentar uma extensa lista de indicações para os melhores cargos do segundo escalão, o PMDB revelou mais uma reivindicação: na eleição presidencial de 2010, quer ter a cabeça da chapa da coalizão que apóia o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Coube ao presidente do partido, deputado Michel Temer (SP), fazer o comunicado a Lula, em jantar anteontem, na casa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

?Sei que é um assunto delicado e talvez eu esteja inebriado pelo estado febril, por causa de uma gripe. Mas, no processo de coalizão, é natural que o PMDB tenha o candidato em 2010?, afirmou Temer, quase sem voz. ?Se isso ocorrer, faremos seu sucessor sem maiores dificuldades.

Pego de surpresa, Lula não fugiu ao tema, mas ficou em cima do muro. Fez rasgados elogios ao PMDB e deu a entender que, se a coalizão resistir até lá, o candidato pode sair de qualquer de seus 11 partidos. ?Não posso ser candidato a um terceiro mandato. Nada impede um acordo da coalizão em 2010?, disse para os 183 peemedebistas presentes. ?O presidente disse que em 2010 a coligação deve ser mantida e, sendo o PMDB o maior dos partidos que a integram, poderia sim ter o candidato?, disse o ministro das Relações Institucionais, Walfrido Mares Guia, logo após o jantar.