Os governos e polícias dos 181 países membros da Interpol devem buscar maior integração, de forma a possibilitar o combate mais efetivo à pirataria mundial. A opinião é do representante da Interpol John Newton, responsável pela Unidade de Crimes de Propriedade Intelectual da organização. Newton veio ao Brasil para participar do 24º Seminário Nacional de Propriedade Intelectual. Segundo o representante da Interpol, a pirataria é um problema mundial.

Ele destacou que a atividade representa entre 5% e 7% do comércio global, sendo, muitas vezes, fonte de financiamento do terrorismo. ?Precisamos cultivar relações de confiança entre os países?, defendeu Newton.

Durante o seminário, o vice-presidente da Associação Brasileira de Propriedade Intelectual, Rodrigo Bonan, afirmou que o Brasil tem se posicionado de uma forma muito contundente, no cenário mundial, em relação à pirataria.

Mas, segundo Bonan, a eficácia das ações de combate a essa atividade precisa ganhar o reforço de mudanças legislativas, do fortalecimento do Poder Judiciário e da conscientização da população. ?Se nos empenharmos, dentro de 10 ou 15 anos teremos um resultado melhor?, observou.