Dois deputados e dois senadores que integram a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Compra de Votos continuam, nesta semana, a busca de documentos sobre o suposto esquema de pagamento de mesada a parlamentares, o "mensalão".

A busca na CPMI dos Correios, no Supremo Tribunal Federal, na Polícia Federal e na Procuradoria-Geral da República, será feita pelos senadores Romeu Tuma (PFL-SP) e Eduardo Suplicy (PT-SP) e pelos deputados Zulaiê Cobra (PSDB-SP) e Paulo Pimenta (PT-RS). Eles foram designados para a tarefa pelo presidente da CPMI da Compra de Votos, senador Amir Lando (PMDB-RO).

A comissão foi criada no início de julho pelo presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o objetivo de investigar o suposto pagamento de mesadas pelo Partido dos Trabalhadores (PT) a parlamentares do PP e do PL em troca de apoio ao governo, e as suspeitas de compra de votos, em 1997, para aprovar a emenda constitucional que possibilitou a reeleição para os chefes do Executivo.

A CPMI foi proposta inicialmente pelos partidos da oposição PPS, PDT e PV. O deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) foi o primeiro a depor na Comissão.