Parentes das vítimas que viajavam no Boeing 737 da Gol e colidiu com um jato Legacy no último dia 29 vão formalizar a fundação da Associação do Vôo 1907. Segundo Luciana Siqueira, integrante da Comissão dos Familiares dos Passageiros do Vôo 1907, a associação foi criada para auxiliar os parentes, tirar dúvidas sobre direitos das famílias, reunir documentos e acompanhar as investigações sobre o maior acidente aéreo da história do País, que matou 154 pessoas em Mato Grosso.

Luciana informou que, além de uma sede em São Paulo, a associação deverá ter uma outra base na região Centro-Oeste do País. "Já estamos em contato com a Associação Brasileira de Parentes e Amigos das Vítimas de Acidentes Aéreos para obter informações sobre como proceder", disse a irmã do executivo da Bombardier Plínio Siqueira Júnior, sepultado no último sábado, 7 no cemitério Parque Flamboyant em Campinas, interior de São Paulo.

Além dele, outras três vítimas que residiam na região foram identificadas. A engenheira agrônoma e pesquisadora do Instituto Agronômico (IAC), Marilene Leão Alves Bovi, foi enterrada em Campinas, e o empresário Antonio Gregório da Costa Pessoa, em Americana, no sábado.

No domingo, 8, o corpo do programador de informática Michel Guimarães Rondini foi cremado na Vila Alpina, zona leste de São Paulo.

Luciana Siqueira voltou de Brasília no fim da semana passada. Integrantes da comissão ainda trabalham pela agilidade na identificação e liberação dos corpos. Até a tarde de ontem (9), 73 dos 107 corpos encaminhados ao IML (Instituto Médico Legal) de Brasília tinham sido identificados.