O projeto de lei que prevê a integração das atuais doze faculdades isoladas às universidades estaduais de Londrina (UEL), de Maringá (UEM) e de Ponta Grossa (UEPG) será encaminhado à Assembléia Legislativa na próxima semana, informou o secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldair Rizzi. Antes, o projeto será encaminhado ao governador Roberto Requião, que já declarou apoio à proposta. O projeto de lei extingue a Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e prevê o funcionamento das faculdades estaduais como campi das três universidades estaduais.

A proposta da Secretaria é que funcionem como campi da UEL as três faculdades estaduais de Jacarezinho, a faculdade de Apucarana, de Bandeirantes e de Cornélio Procópio; como campi da UEM, as faculdades de Campo Mourão e de Paranavaí; e como campi da UEPG, as duas faculdades de Curitiba (FAP e Embap), de Paranaguá e de União da Vitória.

Segundo Rizzi, o ano de 2003 será dedicado ao aperfeiçoamento da proposta de integração. “Não há motivos para apreensões: a proposta fortalece o ensino superior público e traz ganhos para a comunidade, o que certamente será sentido com o tempo”, garante. “Um desses ganhos ainda está na melhoria da qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão.”

Para o secretário, todos têm um papel importante nesse processo de aperfeiçoamento do ensino superior público. Ele explicou que a proposta de integração leva em conta a localização geográfica e a identidade regional de cada uma das doze faculdades e também atende às necessidades da LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação).

O secretário informou ainda que sua equipe também está preparando proposta de avaliação institucional e de planejamento do sistema estadual de ensino superior, a ser implementada posteriormente, depois de passar por uma ampla discussão com todas as instituições estaduais de ensino. Outra novidade é a realização de um programa de capacitação, incluindo mestrados interinstitucionais.