Na noite desta quinta-feira (19), o magistério municipal de Curitiba, reunido em assembleia, aprovou indicativo de greve para o dia 8 de abril. As professoras e professores da rede estão indignados com a forma como a Prefeitura vem conduzindo o processo de implantação e enquadramento no novo Plano de Carreira da categoria, conquistado em outubro de 2014.

Depois de dois anos de negociação com a gestão Fruet sobre o Plano de Carreira, a divulgação do simulador, na última segunda-feira (16), gerou muita revolta no magistério. O sentimento geral é de que o longo processo de negociação foi ignorado nessa reta final. Uma grande parcela da categoria, com mais de 15 anos de rede, se sentiu duplamente penalizada com as distorções demostradas na ferramenta. A Prefeitura reconheceu que o simulador precisa de ajustes, mas ainda não divulgou quais foram os erros.

Além disso, a administração municipal não apresentou a base de cálculo usada na primeira versão do simulador.

O magistério reivindica que a trajetória de carreira, critério para enquadramento no novo Plano, seja calculada com base nos crescimentos que cada professora ou professor teve oportunidade real de participar, desde 2001, quando o atual Plano de Carreira da categoria foi implantado.