Os canteiros de praças e parques de Curitiba estão sendo preparados para florir e enfeitar a cidade nas comemorações do fim de ano. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente está plantando sálvias e begônias vermelhas em vários pontos turísticos. Com esse plantio às vésperas do Natal, a Prefeitura fechará 2011 com o número recorde de dois milhões de mudas de flores plantadas em parque e praças no ano.

“O capricho para receber turistas e deixar a cidade bonita é grande. Tomara que o tempo colabore e que chova e faça sol no momento certo para as plantas atingirem o ápice da beleza durante as festividades”, diz o gerente de Praças da Secretaria do Meio Ambiente, Jean Brasil.

Até o momento já foram feitos plantios nas praças do anel central: Tiradentes, Santos Andrade, Osório, Garibaldi (Relógio das Flores), Miguel Couto (pracinha do Batel), Espanha, Nossa Senhora de Salete e entorno do Centro Cívico, Alfredo Andersen (em frente ao Hospital Evangélico), Atlético e nos parques Tanguá, Barigui e na Fonte da Biodiversidade, além dos canteiros das avenidas Mariano Torres e Visconde de Guarapuava.
 
Recorde  – O plantio anual de flores na cidade vem aumentando nos últimos anos. Em 2009, os canteiros públicos da cidade receberam 1,5 milhão de mudas; em 2010 foram plantadas 1,7 milhão, e 2011 fechará com dois milhões, fora o plantio de 500 mil mudas de flores na Linha Verde.

De acordo com Brasil, a demanda aumentou em função da melhoria de capacidade de produção do Horto Municipal, responsável pelo cultivo das flores que abastecem a cidade e também pela abertura de novos canteiros. “O zelo é com todas as regiões da cidade, mas existem pontos estratégicos de passagem de turistas e de grande circulação da população”, avalia Brasil.

O Horto produz anualmente espécies de inverno e de verão. No verão, sobressaem sálvia, celósia, gonphrena, entre outras variedades típicas da estação. Estas espécies começam a ir para os canteiros da cidade em setembro, no começo da primavera, quando o clima esquenta e as flores do inverno entram no fim do ciclo.

Na estação fria, entram em cena amor-perfeito, boca-de-leão, verbena e phlox e outras. As trocas são feitas em média a cada três meses, dependendo do comportamento das plantas.

Além de plantar das flores, equipes da Prefeitura também fazem regas constantes para manter íntegra a beleza das plantas, principalmente no verão, quando o clima fica mais seco.