O Ministério da Saúde confirmou seis casos de coronavírus no Paraná nesta quinta-feira (12). De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), cinco dos pacientes são de Curitiba, incluindo o homem de 54 anos e a mulher de 25 anos que tiveram a infecção constatada quarta-feira (11) no exame laboratorial do Hospital Nossa Senhora das Graças. O sexto caso é de um paciente de Cianorte, na região Norte do Estado.

Todos os casos são de contágios fora do Brasil: os cinco de Curitiba passaram recentemente pela Europa e o do Cianorte esteve no Oriente Médio. Todos pacientes estão em isolamento domiciliar.

LEIA MAIS – Infectados pelo novo coronavirus devem se recuperar em casa

O estado agora tem 49 casos suspeitos sendo avaliados e 27 foram descartados. No Brasil, são 73 casos confirmados até o fima da manhã desta quinta.

O secretário estadual de Saúde, Beto Preto, e a secretária municipal de Saúde Curitiba, Márcia Huçulak, enfatizaram que a confirmação dos casos não é motivo de pânico. “Não existe orientação para fechar nada. Não é para ter pânico, pois os casos são leves ou brandos”, reforça o secretário. “Temos que acalmar a população”, corroborou a secretaria municipal.

Telefone 192

Márcia Huçulak orienta a população a ligar para o telefone 192, o mesmo do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) se tiver suspeita de contágio do coronavírus. O objetivo é evitar que as pessoas que suspeitem da doença circulem e espalhem mais o vírus. “A gente pede que as pessoas liguem para ver se deve ou não ir para uma unidade de saúde”, orienta a secretaria.

LEIA MAIS – Como falar do coronavírus com crianças sem alarmá-las: 9 dicas pros pais

Além de reforçar medidas para evitar o contágio, como lavar constantemente as mãos, tapar a boca e o nariz ao torssir ou espirrar, evitar contatos próximos, como aperto de mão, as escolas terão os bebedouros fechados. Além disso, se o aluno apresentar sintomas, a orientação é de que ela não vá para a aula. “Fechar escolas seria um problema neste momento até para os pais. Algumas crianças não teriam onde ficar”, explica a secretária.

O governador Ratinho Jr também reforçou que não há motivo para pânico. “Não é motivo para cancelar aula, para fechar universidades e nem departamentos públicos”, enfatizou o governador. Nesta quinta, o governo do estado formou um núcleo para monitorar os casos, formado pela Sesa, Defesa Civil e outros órgãos.