Ciciro Back / GPP
Ciciro Back / GPP

População protestou pelas obras
que ainda não foram realizadas.

Três faixas com os dizeres ?Praça Tiradentes – O marco Zero de Curitiba está um caos, feia na foto?, ?Os comerciantes da Praça Tiradentes querem que o projeto de revitalização saia do papel?, e ?Queremos também um módulo policial? foi a única ação que chamou a atenção na manhã de sábado na praça, quando deveria acontecer uma megaoperação da Prefeitura de Curitiba, dando início à revitalização do local.

A previsão de mau tempo fez com que muitas das atividades programadas – como limpeza, confecção de documentos, recuperação de pisos e atividades culturais – fossem reduzidas e transferidas para outro local. Os comerciantes e freqüentadores que aguardavam a operação ficaram frustados.

As intervenções na Praça Tiradentes são consideradas urgentes por quem trabalha no local. Uma comerciante, que preferiu não se identificar por medo de represálias, conta que trabalha há quinze anos no local e acompanha todos os dias uma série de problemas. "Só nessa semana ocorreram dois homicídios aqui", contou, afirmando que por volta das 6h30 os flagrantes de vendas de drogas e prostituição na praça são constantes. Outro problema que ela destaca é que a distribuição de alimentos que acontece diariamente na praça acaba atraindo uma legião de pessoas todos os dias, no mesmo horário.

"Não sou contra esse trabalho, mas acho que ele poderiam ser feito em locais diferentes, ou que a Prefeitura atendesse esse pessoal", falou. A comerciante também reclama da falta de policiamento, e cita como alternativa a permanência da Guarda Municipal.

O pintor Alceu Teixeira da Cruz conta que foi assaltado quatro vezes nas imediações da praça, e diz que hoje as pessoas idosas acabam sendo um alvo fácil para os marginais. "Nenhum idoso pode passar tranqüilo por aqui sem ser incomodado por essas pessoas que moram na praça", falou. Ele também defende a construção de banheiros públicos para evitar que as pessoas façam suas necessidades nas paredes ou árvores.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Curitiba informou que algumas obras previstas dentro do plano de revitalização já foram feitas, como a limpeza de galerias, troca de cabinas telefônicas e lâmpadas. Porém, estão previstas para serem feitas – mas a longo prazo -, uma restauração completa do local, com o objetivo de resgatar o Ponto Zero da capital. Em relação às pessoas que moram na praça, a assessoria disse que elas deverão ser cadastradas e encaminhas para projetos sociais, e que a construção de um módulo policial também faz parte do projeto.