A intensificação da fiscalização de crimes contra o meio ambiente, durante a Operação Verão, resultou em 100 relatórios de inspeção ambiental, 110 notificações e cerca de 120 autos de infração ambiental.

Foram emitidos R$ 812 mil em multas. Para isso, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) contou com o apoio da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. A Operação Verão começou em 16 de dezembro e terminou neste domingo (26).

O IAP também orientou moradores e veranistas. As três barracas instaladas na orla atenderam mais de 34 mil veranistas com ações de educação ambiental e orientações.

O trabalho contou com apoio do Instituto das Águas e dos agentes ambientais contratados pelo Provopar. Foram atendidos municípios e balneários do Litoral e as cidades de Paranavaí, Cianorte e Umuarama. O IAP também monitorou a qualidade das águas (balneabilidade) e prestou atendimento 24 horas.

Para o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto, a Operação Verão foi um sucesso graças ao empenho e dedicação dos funcionários e as parceiras realizadas entre instituições de governo.

“Há muito tempo os órgãos do governo não trabalhavam em conjunto em prol ao meio ambiente e de um bom atendimento à população. Trabalhar em parceria é muito importante para que os recursos sejam bem aproveitados e os funcionários, melhor valorizados”, declara.

O coordenador das ações do órgão na Operação Verão, Doraci Ramos, lembrou que, em comparação à temporada passada, nesta trabalhavam menos funcionários, mas o trabalho foi mais eficiente.

Na temporada 2010/2011 participaram diretamente 69 funcionários enquanto nesta, foram 56, sem considerar as regionais de Umuarama e Cianorte e as nove unidades de conservação, que pela primeira vez foram incluídas nas ações da operação. “Os funcionários mostraram que, com vontade e comprometimento, é possível fazer um bom serviço e mostrar à população que estamos presentes”, destaca.

Parcerias – O IAP teve apoio do Batalhão de Polícia Ambiental, na fiscalização por mar e terra, do Corpo de Bombeiros, no monitoramento nas praias e combate a incêndios florestais, e da Secretaria de Segurança Pública, com aeronaves para identificação de áreas desmatadas.

Dessas ações foram apreendidos mais de 6 mil metros de rede de pesca, 90 espinhéis, mais de 120 molinetes, 550 quilos de pescado, 48 dúzias de caranguejos, mais de 70 quilos de animais caçados e cinco armas de fogo. Também foram lavrados 24 termos de embargo e 43 termos de apreensão.

O presidente do IAP explicou que o objetivo das fiscalizações não é emitir multas. “É muito mais importante educar a população quanto à importância e a maneira certa de preservar o meio ambiente que agir na repressão. Sabemos que é possível preservar e desenvolver as diversas regiões do estado, respeitando o meio ambiente e preservando áreas importantes para a biodiversidade local”.

Pioneirismo – O atendimento telefônico funcionou pela primeira vez 24 horas por dia. Antes o serviço estava disponível apenas no horário comercial, das 8h às 18h. O número 0800 643 0304 também é usado pela Polícia Ambiental, ouvidoria do IAP, acidentes ambientais, que continuam atendendo apenas em horário comercial.

Durante os meses da temporada, apenas a opção da Operação Verão atendeu 675 denúncias. A maioria das ligações solicitava resgate de animais (mais de 90), seguido por denúncias pesca predatória (90), de poluição sonora (70), desrespeito à restinga (cerca de 70) e de desmate (mais de 60).

Para o presidente do IAP o serviço se mostrou eficiente e por isso deve continuar nos próximos verões. Denúncias que não eram de responsabilidade do instituto eram passadas a outras entidades, como prefeituras, Instituto das Águas e polícia.